Dólar fecha nesta sexta em R$ 3,65, menor valor em cinco meses

Investidores estão otimistas com o desfecho eleitoral do domingo, acreditando na vitória de Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT)

Dólar fecha em R$ 3,65, menor valor em cinco meses

Dólar fecha em R$ 3,65, menor valor em cinco meses

Pixabay

O dólar terminou a sexta-feira (26) com queda firme e fechou em R$ 3,65, menor valor em 5 meses, mostrando que os investidores estão otimistas com o desfecho eleitoral do domingo, acreditando na vitória de Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT).

Desta forma, o mercado minimizou não só a pesquisa Datafolha da véspera, que mostrou uma distância menor entre os dois candidatos, como também o cenário externo adverso nesta sessão.

O dólar recuou 1,32%, a R$ 3,6546 na venda, menor valor desde os 3,6483% de 24 de maio de 2018. Na semana, a moeda dos EUA recuou 1,62% ante o real.

O dólar acumulou perdas em relação ao real pela sexta semana consecutiva, acumulando, no período, retração de 12,29%.

A sequência de seis quedas semanais se iguala à registrada entre 26 de junho e 4 de agosto de 2017, intervalo no qual a moeda norte-americana recuou 6,40% e é a maior sequência desde as nove semanas consecutivas de baixa, entre 19 de dezembro de 2016 a 17 de fevereiro de 2017, quando o dólar ficou 8,78% mais barato que o real.

Na mínima, a moeda foi a 3,6442 reais e, na máxima, a 3,7310 reais. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 1,50%.

"O mercado olha que não dá tempo de Haddad tirar a quantidade de votos necessária para vencer", comentou o economista-chefe do Banco Confidence, Robério Costa, ao destacar que a pesquisa Datafolha, entretanto, pesou negativamente no início do negócios, quando o dólar chegou a subir.

Os levantamentos XP/Ipespe e Crusoé/Empiricus/Paraná, também divulgados pela manhã, contudo, mostraram números melhores para Bolsonaro, levando uma reversão do movimento.

Segundo o Datafolha, a distância entre Bolsonaro e Haddad caiu 6 pontos em uma semana, para 12 pontos. Além disso, a rejeição a Bolsonaro variou para 44%, de 41%, enquanto a de Haddad oscilou para 52%, de 54%.

O levantamento XP/Ipespe manteve distância de 16 pontos entre ambos, enquanto a Crusoé/Empiricus/Paraná também manteve praticamente inalterada a distância de 21 pontos.

À tarde, o dólar renovou mínimas ante o real com alguns investidores zerando posições compradas antecipando o desfecho das urnas no domingo.

No exterior, a alta do dólar também perdeu força ante as divisas de países emergentes e ajudou a aliviar a trajetória local. O ambiente de aversão ao risco, no entanto, predominou, com destaque para a nova sessão de forte queda das bolsas norte-americanas.

O Banco Central vendeu nesta sessão 7,7 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou 7,315 bilhões de dólares do total de 8,027 bilhões de dólares que vence em novembro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.