Economia Dólar passa a cair com Comissão de Orçamento e autonomia do BC

Dólar passa a cair com Comissão de Orçamento e autonomia do BC

Às 14:36, moeda recuava 0,45%, a R$ 5,35 na venda, após ter chegado a saltar mais de 1% na máxima do dia, a R$ 5,43

Reuters
Dólar sobe ante real com instalação de CMO e proposta de autonomia do BC no radar

Dólar sobe ante real com instalação de CMO e proposta de autonomia do BC no radar

Ricardo Moraes/Reuters - 10.09.2015

O dólar passava a cair contra o real nesta quarta-feira (10), acompanhando o otimismo dos mercados internacionais, enquanto a instalação da CMO (Comissão Mista de Orçamento) e a votação da autonomia formal do Banco Central forneciam algum alívio para os investidores preocupados com as contas públicas brasileiras.

Ibovespa oscila na abertura, com Klabin entre maiores altas

Em sessão marcada por volatilidade, às 14:36, o dólar recuava 0,45%, a R$ 5,3586 na venda, depois de ter chegado a saltar mais de 1% na máxima do dia, a R$ 5,4384.

O dólar futuro de maior liquidez tinha queda de 0,26%, a R$ 5,368.

O clima global parecia mais otimista, com os agentes do mercado à espera de mais estímulos fiscais nos Estados Unidos de forma a combater as consequências econômicas da Covid-19, com os democratas do Congresso norte-americano avançando com uma proposta no valor de US$ 1,9 trilhão do presidente Joe Biden.

No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de rivais registrava leves perdas, enquanto pares arriscados do real apresentavam desempenho misto.

Comissão Mista de Orçamento

Por aqui, os investidores recebiam com alívio a notícia de que, após aproximadamente um ano de atraso e uma série de embates, a CMO (Comissão Mista de Orçamento) foi instalada nesta quarta-feira com a tarefa de analisar o Orçamento para este ano.

A deputada Flávia Arruda (PL-DF) foi aclamada presidente do colegiado, que terá até março para produzir um parecer para a proposta de LOA (Lei Orçamentária Anual) deste ano.

A aprovação da peça orçamentária é crítica em um momento de dificuldades com as contas públicas. Sem a aprovação da LOA, o Executivo fica refém do limite de 1/12 do previsto no ano para as despesas obrigatórias a cada mês.

"O fato de já haver um início dos trabalhos dá um alívio para o real; a (instalação da) Comissão estava muito atrasada", disse à Reuters Alejandro Ortiz, economista da Guide Investimentos, embora tenha alertado que a situação fiscal do país está longe de resolvida.

Além da instalação da Comissão, ele citou como bem-vinda a notícia de que a votação pelo plenário da Câmara do projeto que confere autonomia formal ao Banco Central, de forma a garantir à instituição financeira que execute suas tarefas sem risco de interferência político-partidária, ficou para esta quarta-feira após um acordo entre lideranças do governo e da oposição.

Em nota, analistas da XP Investimentos disseram que, "na política, o governo superou ontem a prévia de seu primeiro teste na Câmara sob a presidência de Arthur Lira, ao aprovar a urgência para o projeto de autonomia do Banco Central (...)", embora a equipe econômica siga "sofrendo pressão dos congressistas para a retomada do auxílio emergencial sem contrapartidas fiscais".

Temores de que os gastos com estímulo para a população levem a um furo do teto fiscal têm pressionado o real contra o dólar nos últimos meses, bem como um ambiente de juros baixos e forte disseminação da Covid-19 no Brasil.

Na terça-feira, o dólar negociado no mercado interbancário teve alta de 0,19%, a R$ 5,3827 na venda, mesmo após o Banco Central intervir com venda de US$ 1 bilhão no mercado de derivativos.

Últimas