Dólar salta quase 4%, se aproxima de R$ 5,20 e bate novo recorde

Moeda norte-americana disparou 3,9%, e passa a ser negociada a R$ 5,198, maior cotação nominal desde a criação do Plano Real, em 1994

Dólar acumula perda de 29,56% neste ano

Dólar acumula perda de 29,56% neste ano

Jose Luis Gonzalez/Reuters - 12.2.2018

Após registrar leve queda na véspera, o dólar voltou a subir forte nesta quarta-feira (18) e se aproximou dos R$ 5,20. No fechamento da sessão, a moeda norte-americana disparou 3,9%, a R$ 5,198, maior cotação nominal desde a criação do Plano Real, em 1994. 

Em março, a divisa acumula alta de 16% e, em 2020, já soma valorização de 29,56% ante a moeda brasileira.

Leia mais: Bolsa desaba de novo e tem menor patamar desde julho de 2017

A nova alta do dólar ante o real ocorreu em meio ao colapso dos preços de quase todas as classes de ativos financeiros globais diante de um mundo praticamente travado por causa da guerra contra o coronavírus.

O fortalecimento do dólar é global. A busca desenfreada por liquidez catapultava a moeda a máximas em três anos contra uma cesta de divisas e nocauteava divisas de países exportadores de commodities, conforme a paralisia econômica minava a perspectiva para a demanda por matérias primas. À parte desse grupo, a libra esterlina desceu a mínimas não vistas desde meados de 1980.

Nem mesmo a injeção pelo Banco Central de quase US$ 3 bilhões nesta quarta via leilões de dólar à vista e de linhas com compromisso de recompra impediu um dia de grande estresse no mercado de câmbio. Evidência da percepção de menor liquidez, as taxas de cupom cambial (juro em dólar dispararam, com a do primeiro vencimento saltando 78 pontos-base desde a mínima recente de 10 de março.