Economia Dólar sobe pela 4ª vez seguida e renova maior valor em 8 meses

Dólar sobe pela 4ª vez seguida e renova maior valor em 8 meses

Alta de 0,07% fez a moeda norte-americana ser vendida a R$ 4,1048, maior valor desde o dia 19 setembro do ano passado

Dólar

Dólar oscilou entre R$ 4,07 e R$ 4,12  na sessão

Dólar oscilou entre R$ 4,07 e R$ 4,12 na sessão

Pixabay

O dólar fechou em ligeira alta ante o real nesta segunda-feira (20) e passou a ser vendido por R$ 4,1048. Trata-se da quarta alta seguida da moeda norte-americana.

Apesar de pequeno, o ganho de 0,07% da moeda foi suficiente para a cotação renovar a máxima desde o dia 19 setembro do ano passado (R$ 4,1242).

A alta da divisa foi guiada pelo fraco desempenho do real no mundo diante dos ruídos políticos locais e relacionados à agenda de reformas.

Após bater 100 mil pontos, Bolsa retoma níveis de 2018

Depois do surto de volatilidade da semana passada — uma das mais turbulentas para o governo e que fez o dólar registrar a maior valorização semanal desde agosto do ano passado —, a segunda-feira foi de tentativas de membros do governo e do Congresso de acalmar os ânimos e passar algum senso de articulação.

O presidente Jair Bolsonaro, contudo, foi menos sutil e disse que a classe política é o grande problema que impede o Brasil de dar certo.

"Na margem, acho que a sensação de risco melhorou, mas ainda falta da parte do presidente [Bolsonaro] uma postura mais amistosa", disse Rogério Braga, sócio e estrategista na gestora Quantitas.

Apesar de ter fechado perto da estabilidade, o dólar demonstrou volatilidade ao longo do pregão.

Depois de bater uma mínima de R$ 4,0783 (-0,58%) logo após a abertura, a moeda tomou fôlego e alcançou uma máxima de R$ 4,1230 (+0,51%) por volta de 12h30.

Depois das 13h, a moeda passou a perder força, na sequência da definição da taxa Ptax, média de cotações apuradas pelo Banco Central no mercado, que serve de referência para a liquidação de contratos futuros e outros derivativos. As movimentações em torno dessa taxa tendem a deixar o mercado volátil perto do fim do mês, devido justamente aos vencimentos dos contratos futuros.

A segunda-feira contou com intervenção do BC no câmbio em duas frentes. Primeiro, a autoridade monetária vendeu todos os 5.050 contratos de swap cambial ofertados em rolagem. Em seguida, negociou todo o lote de US$ 1,25 bilhão em rolagem de linhas de dólares.

"A antecipação do anúncio [da rolagem] das linhas é uma estratégia interessante. Tira o conforto do 'comprado' [em dólar]", disse Braga. O BC volta a realizar leilões de rolagem de linhas nos próximos dias.