Economia Dólar tem leve alta após dois dias de quedas e vale R$ 5,37

Dólar tem leve alta após dois dias de quedas e vale R$ 5,37

Alta de 0,25% da moeda norte-americana ocorre mesmo com a percepção positiva a respeito do novo comando do Congresso

Reuters
Dólar oscilou entre R$ 5,32 e R$ 5,39 na sessão

Dólar oscilou entre R$ 5,32 e R$ 5,39 na sessão

Thomas White/Reuters - 22.6.2017

O dólar fechou em leve alta ante o real nesta quarta-feira (3), mas não sem oscilar entre ganhos e perdas ao longo do dia, com um tom mais cauteloso no exterior na parte da tarde estimulando compras depois de dois dias de quedas da moeda.

Ao final da sessão, a moeda norte-americana subiu 0,25%, a R$ 5,3695. Durante o dia, a cotação da divisa variou entre alta de 0,72% (R$ 5,395) e queda de 0,65% (R$ 5,3214). Na véspera, a cotação cedeu 1,7%, depois de, na segunda, cair 0,55%.

De acordo com analistas do DailyForex, o mercado de câmbio no Brasil está lateralizado, com a cotação em torno de R$ 5,35 atraindo compras, que seriam desfeitas com a moeda se aproximando da faixa entre R$ 5,38 e R$ 5,40.

O mercado avaliou os mais recentes discursos do presidente Jair Bolsonaro e dos novos comandantes da Câmara e do Senado - Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), respectivamente - como favoráveis a temas caros aos investidores, como manutenção de regras fiscais. Lira e Pacheco se comprometeram nesta quarta-feira a avaliar uma forma de retomar o auxílio emergencial, mas respeitando o teto de gastos.

Mas há no mercado percepção de que medidas vistas como mais capazes de melhorar a perspectiva para as contas públicas e/ou destravar a economia - como a PEC Emergencial e a reforma tributária-- ainda podem enfrentar caminho difícil no Legislativo.

"O que pode fazer avançarmos com uma PEC Emergencial, por exemplo, é um retorno do auxílio emergencial, mas não temos isso na conta, porque a economia está andando, estamos construtivos com a vacinação e não estamos vendo as estatísticas de Manaus se espalhando", afirmou Bernardo Zerbini, um dos responsáveis pela estratégia macro da gestora AZ Quest.

Ele ainda vê queda do dólar para em torno de R$ 5,10 ao fim do ano, mas antes enxergava chance de a moeda descer aos R$ 4,80. "O câmbio segue defasado ante pares, o problema agora é que o cenário para o dólar global não está claro", afirmou.

O índice do dólar contra uma cesta de moedas caiu 6,8% em 2020, pressionado por amplas medidas de estímulo de governos e bancos centrais para enfrentamento da pandemia, o que levou vários analistas a prever tendência duradoura de enfraquecimento da moeda norte-americana. Contudo, o dólar começou 2021 em recuperação e já sobe 1,3% no período. O índice tinha ligeira alta nesta sessão, com o dólar se mantendo firme ante seus principais rivais euro e iene.

Últimas