Economia Endividamento bate recorde e atinge 58,5% das famílias, diz BC

Endividamento bate recorde e atinge 58,5% das famílias, diz BC

"Saldo de crédito tem avançado em ritmo maior que a renda dos trabalhadores", afirma chefe de estatísticas da autoridade monetária

Agência Estado - Economia
Volume de endividados no sistema financeiro é o maior desde 2005

Volume de endividados no sistema financeiro é o maior desde 2005

Freepik

A crise econômica trazida pela pandemia do novo coronavírus fez o endividamento (dívidas em atraso por mais de 90 dias) dos consumidores bater novo recorde no Brasil. Dados divulgados nesta quarta-feira (28) pelo BC (Banco Central) mostram que, em abril, o endividamento das famílias com o sistema financeiro chegou aos 58,5%. Este é o maior porcentual da série histórica, iniciada em janeiro de 2005.

Leia mais: Saiba como renegociar suas dívidas e quais cuidados você deve tomar

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, destacou que a inadimplência das famílias tem seguido trajetória de alta. "O crescimento do endividamento das famílias mostra que o saldo de crédito para pessoas físicas tem avançado em um ritmo maior que o da renda dos trabalhadores", afirmou.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas bancárias dividido pela renda das famílias no período de 12 meses. Como incorpora dados da Pnad (Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar) contínua e da PME (Pesquisa Mensal de Emprego), ambas do IBGE, o porcentual possui certa defasagem. Por isso o resultado divulgado hoje é de abril.

Fernando Rocha também disse que há uma desaceleração no crescimento do crédito para empresas, enquanto o estoque para famílias segue aumentando de ritmo. "No segundo semestre do ano passado, tivemos um crescimento muito grande no crédito para pessoas jurídicas, com os programas lançados durante a pandemia. Como esses programas não existem mais, é normal que haja uma desaceleração dos saldos em 12 meses. Já no caso das pessoas físicas, o estoque segue em alta sendo puxado pelo crédito pessoal", explicou Rocha.

O estoque total de operações de crédito do sistema financeiro subiu 0,9% em junho ante maio, para R$ 4,213 trilhões, informou a autoridade monetária. Em 12 meses, houve alta de 16,3%. Houve alta de 1,5% no estoque para pessoas físicas e elevação de 0,1% no estoque para pessoas jurídicas.

Consignado

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central destacou o crescimento de 1,5% em junho do crédito consignado de maio para junho. Em 12 meses, o estoque do consignado tem alta de 19,2%. "O consignado representa 36% do crédito livre para pessoas físicas e tem apresentado crescimento nos saldos de todas as modalidades, seja para aposentados, servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada", apontou.

Já o saldo do crédito pessoal não consignado cresceu 2,7% em junho e acumula alta de 26,3% em 12 meses. "Nesse caso, as taxas de juros são bem mais elevadas, devido ao menor nível de garantia quando comparado ao crédito consignado", lembrou Rocha.

Capital de giro

Fernando Rocha destacou, ainda, o crescimento de 1,9% em junho dos saldos do capital de giro com prazo superior a 365 dias. Em 12 meses, a alta é de 26,4%. "Capital de giro é a modalidade mais importante em termos de saldos para pessoas jurídicas, e as operações mais longas dizem respeito à maior parte desse volume", afirmou.

Já o saldo das operações com menos de 365 dias recuou 12,0% em junho e 32,3% em 12 meses. "No caso do capital de giro de curto prazo, há uma redução em relação ao ano passado, porque essas operações foram mais demandadas na crise, entre março e agosto de 2020. Mesmo com o recuo desde então, o saldo ainda 40% superior ao que era antes da pandemia", completou.

Rocha chamou atenção ainda para o crescimento de 14,3% do saldo de desconto de duplicatas em junho, sazonal em todo final de trimestre. "Mas essa linha tem mostrado um crescimento sustentado nos últimos 12 meses, para além do seu padrão sazonal", acrescentou.

Captação dos bancos

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC disse que o aumento da taxa Selic nos últimos meses já ocasionou uma elevação no custo de captação dos bancos. Por outro lado, as taxas de juros cobradas dos tomadores de empréstimos têm se mantido estáveis, o que denota uma redução dos spreads.

Em junho, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou pela terceira vez consecutiva a Selic em 0,75 ponto porcentual, para 4,25% ao ano. O colegiado passou a considerar apropriada a normalização da taxa de juros para o patamar neutro e indicou um novo ajuste de mesma magnitude ou ainda maior na Selic na próxima reunião, em agosto.

O spread bancário médio no crédito livre passou de 21,8 pontos porcentuais em maio para 21,4 pontos porcentuais em junho. Para pessoa física o spread médio foi de 32,7 para 32,6 pontos porcentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 8,4 para 8,1 pontos porcentuais.

Últimas