Economia Gasolina recua nos postos após cortes da Petrobras na refinaria

Gasolina recua nos postos após cortes da Petrobras na refinaria

ANP indica também queda no valor do diesel. Movimento encerra longa tendência de aumento nos custos ao consumidor

Reuters - Economia
Queda dos preços ao consumidor ocorre após dois cortes consecutivos nas refinarias

Queda dos preços ao consumidor ocorre após dois cortes consecutivos nas refinarias

Ricardo Moraes / Reuters

Os preços da gasolina e do diesel nos postos do Brasil encerraram a semana em queda, mostraram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira (26), com os valores acompanhando em parte cortes das cotações pela Petrobras em suas refinarias.

O movimento encerrou uma longa tendência de aumento nos custos para os consumidores nas bombas - o diesel não via redução há oito semanas e a gasolina avançou continuamente por 13 semanas antes de ceder.

O alívio seguiu-se a dois cortes consecutivos dos valores cobrados nas refinarias pela Petrobras. A estatal anunciou em 19 de janeiro uma redução de 5% na gasolina, enquanto em 24 de março foram informados diminuições de cerca de 4% tanto na gasolina quanto no diesel.

Nos postos, o custo médio da gasolina para o cliente final caiu 0,73% frente à semana anterior, a 5,551 reais por litro, de acordo com os números da ANP.

O óleo diesel, combustível mais utilizado do Brasil, encerrou a semana com recuo menor, de 0,12%, a 4,269 reais por litro em média.

Leia também: Petrobras tem aval para importar gás da Bolívia até o fim de fevereiro

Nas últimas sete semanas, o diesel havia registrado seis aumentos e uma semana de estabilidade, mesmo após um corte de tributos federais pelo governo sobre o produto, que valerá por dois meses.

Recuo do etanol

O etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas, também recuou e fechou a semana 2,8% mais barato, a 4,067 reais por litro, segundo os dados da ANP.

Os preços nos postos, no entanto, não necessariamente acompanham os reajustes da Petrobras, que domina o mercado de refino no Brasil. Fatores como impostos, mistura de biocombustíveis e margens de distribuição também influenciam nos valores.

Últimas