Economia IBGE prorroga a coleta de campo do Censo 2022 até início de dezembro

IBGE prorroga a coleta de campo do Censo 2022 até início de dezembro

O instituto informou que está enfrentando dificuldades para contratar trabalhadores em determinados locais

Agência Estado - Economia
Seleção complementar para o Censo 2022 abre 15 mil vagas

Seleção complementar para o Censo 2022 abre 15 mil vagas

Tânia Rego/Agência Brasil-06/09/2021

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou que prorrogará a coleta em campo do Censo Demográfico até o início de dezembro. O trabalho de levantamento de informações, que teve início em 1º de agosto, estava previsto para se estender apenas até o fim de outubro.

O instituto comunicou que está enfrentando dificuldades para contratar trabalhadores em determinados locais. Em todo o país, o IBGE conta com 95.448 recenseadores em ação no momento, apenas 52,2% do total de vagas disponíveis. O estado com maior déficit de recenseadores é Mato Grosso, com 36,8% do número de vagas ocupadas.

"Praticamente metade do Censo feito nestes dois meses. Ou seja, a operação está atrasada. A gente estava esperando que fosse encerrar a operação agora na primeira semana de outubro", contou Cimar Azeredo, diretor de Pesquisas do IBGE.

Ele acredita que instituto possa precisar de mais recursos para que o processo termine no prazo estimado.

"É bem provável que sim, que a gente precise de mais recursos", contou Azeredo.

Segundo o diretor do órgão, a decisão de prorrogar a coleta até o início de dezembro é acompanhada do compromisso de entregar os dados da contagem da população ainda no fim de dezembro ao Tribunal de Contas da União, para subsidiar a repartição do Fundo de Participação de Estados e Municípios.

"Onde o mercado de trabalho está mais aquecido, temos mais dificuldade de contratar recenseadores", justificou Cimar Azeredo.

O IBGE está trabalhando na preparação de uma medida provisória para permitir a contratação emergencial de recenseadores em condições extraordinárias.

"Estamos trabalhando também na melhora na remuneração desses recenseadores de forma a tornar essa remuneração mais atrativa", disse ele, e acrescenta que também estão buscando aprimorar a comunicação sobre o levantamento censitário, de forma a convencer a população a fornecer informações para os recenseadores.

Até 2 de outubro, foram recenseadas 104.445.750 pessoas, em 36.567.808 domicílios, o equivalente a 49% da população estimada no país. No Censo Demográfico de 2010, a essa altura da coleta, já tinha sido recenseada 86,9% da população.

O gerente-técnico do Censo, Luciano Duarte, reconhece que o ritmo de coleta está "muito abaixo" do registrado no censo anterior, mas diz que o órgão está buscando melhorar a contratação e a remuneração de recenseadores nos locais onde a curva de recenseamento está muito abaixo do esperado.

Entre os já recenseados em 2022, 42% estavam no Sudeste; 27%, no Nordeste; 14,3%, no Sul; 8,9%, no Norte; e 7,8%, no Centro-Oeste. Até o momento, 48% dos recenseados eram homens e 52% eram mulheres.

"Não tem condições de ter Pnad Contínua no ano que vem se a gente não tem Censo", apontou Azeredo. "E outras ações aí que são importantíssimas e que estão dependendo de o Censo ficar pronto."

Os trabalhadores estão atuando em 282.838 dos 452.246 setores censitários do país, 62,54% do total. Sergipe é o estado mais adiantado em termos de setores trabalhados, com 80,78%, seguido por Rio Grande do Norte (79,69%) e Piauí (79,06%). Os estados mais atrasados são Mato Grosso (apenas 38,49% dos setores trabalhados), Roraima (45,18%) e Acre (48,79%).

Cerca de 2,27% dos domicílios visitados até o momento se recusaram a responder. Em relação ao tipo de questões, 88,2% dos domiciliados responderam ao questionário básico e 11,8%, ao ampliado.

A maior parte dos questionários (99,5%) foi respondida de forma presencial, enquanto 81.620 domicílios optaram por responder pela internet e 85.309, pelo telefone.

Últimas