Economia Inadimplência no comércio tem novo aumento em maio, aponta instituto

Inadimplência no comércio tem novo aumento em maio, aponta instituto

Taxa média de pessoas físicas com atraso de pagamentos acima de 90 dias aumenta 0,15% em relação ao mês passado

  • Economia | Do R7

 Comércio de lojas na rua Barão de Itapetininga, no centro de São Paulo

Comércio de lojas na rua Barão de Itapetininga, no centro de São Paulo

Edu Garcia/R7 - 26.04.2022

O índice de inadimplência no varejo das pessoas físicas teve nova alta em maio. Segundo projeções do Ibevar (Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo), o indicador deve alcançar 4,98% neste mês, o maior nível até agora em 2022 e 0,15 ponto percentual a mais em comparação à projeção para abril.

As estimativas médias para junho e julho seguem em alta e podem chegar a quase 5%. "A projeção é compatível com a deterioração do poder de compra das famílias provocada pela inflação", diz Claudio Felisoni de Angelo, presidente do Ibevar, em nota.

A inadimplência de pessoas físicas com recursos livres considera todas as operações com parcelas em atraso acima de 90 dias, com exceção das vinculadas ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ou lastreadas em recursos compulsórios ou governamentais.

Endividamento

Em abril, o percentual de famílias que relataram ter dívidas a vencer alcançou 77,7%, de acordo com dados da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). Trata-se da maior proporção de pessoas com as contas no vermelho de toda a série histórica da pesquisa, apurada desde 2010.

A Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) mostra que o indicador avançou 0,2 ponto percentual no mês. Com a evolução, o endividamento e a inadimplência figuram em um patamar 10,2 pontos percentuais maior do que o registrado em abril de 2021, quando a parcela de endividados correspondia a 67,5% da população.

Últimas