Economia Incerteza econômica volta a subir e segue acima do nível pré-pandemia

Incerteza econômica volta a subir e segue acima do nível pré-pandemia

Índice de Incerteza da FGV subiu 2,4 pontos em junho e está 7,2 pontos acima do patamar de fevereiro de 2020

Índice de Incerteza opera acima dos 120 pontos

Índice de Incerteza opera acima dos 120 pontos

Pixabay

O Índice de Incerteza da Economia subiu 2,4 pontos em junho, para 122,3 pontos, apontou a FGV (Fundação Getulio Vargas) nesta quarta-feira (30). Com o resultado, o nível de incerteza ainda está 7,2 pontos acima do patamar de fevereiro de 2020, último mês antes da chegada da pandemia de covid-19 ao Brasil.

Para Anna Carolina Gouveia, economista do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), as incertezas aumentaram com os novos "ruídos" que surgiram no horizonte.

"Além das incertezas com relação aos rumos da pandemia e às dificuldades enfrentadas nas campanhas de vacinação, a alta do Indicador de Incerteza em junho contou com novos ruídos, como a possibilidade de uma crise energética e o desenrolar da CPI da Covid-19 e da reforma tributária no Congresso", apontou ela.

Anna Carolina destaca que o novo repique faz com que o indicador volte a ficar acima dos 120 pontos e mais distante da normalização dos níveis de incerteza. "A única notícia positiva do mês foi o recuo do componente de Expectativa, que retornou pela primeira vez ao nível pré-pandemia, de janeiro de 2020", disse ela.

Em junho, os dois componentes do Indicador de Incerteza caminharam em sentido oposto. O componente de Mídia subiu 4,7 pontos, para 121,7 pontos, contribuindo positivamente em 4,1 pontos para a alta das expectativas.

Já o componente de Expectativas, que mede a dispersão das previsões para os 12 meses seguintes, recuou em 7,7 pontos, para 115,7 pontos, contribuindo de forma negativa, em 1,7 ponto, para a evolução na margem do indicador agregado.

Últimas