Mansueto diz que ajuste fiscal em andamento será processo duro, mas gradual

Secretário afirma que aprovação da PEC e reforma da previdência podem mudar dívida pública

Mansueto diz que ajuste fiscal em andamento será processo duro, mas gradual

Secretário afirma que ajuste fiscal será um processo duro, mas gradual

Secretário afirma que ajuste fiscal será um processo duro, mas gradual

Marcos Santos/USP Images

O ajuste fiscal já está em andamento no País. O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministro da Fazenda, Mansueto de Almeida, afirmou nesta segunda-feira (21) que será um processo duro, mas gradual.

— Se o Brasil fizer o ajuste fiscal em três, quatro anos será espetacular. Mas a gente foi conservador. Estamos dando dez anos. Saúde e educação não vão ser prejudicados de jeito nenhum. 

Mansueto defendeu a aprovação da PEC do Teto dos Gastos, em tramitação no Senado, e a Reforma da Previdência como forma de mudar a trajetória da dívida pública brasileira.

Leia mais notícias sobre Brasil e Política

— A trajetória da dívida é muito sensível ao crescimento da economia e ao deflator do PIB. Como é que vai se comportar, isso ninguém sabe. Vários bancos têm estimativas diferentes, está muito difícil prever o futuro. Mas é claro que com a PEC dos Gastos a gente está 'sustentabilizando' a dívida pública brasileira. Mas será necessária a Reforma da Previdência. Ela já está pronta. 

Segundo ele, o País não aguenta mais arcar com a aposentadoria de pessoas em idade tão jovem. A dívida brasileira já está muito alta, e o País precisa cortar despesa através de um ajuste gradual, que passa pela PEC dos Gastos, acredita.

Mansueto lembrou que a última vez em que o Brasil teve queda no PIB por dois anos consecutivos foi na década de 30.

— O que ocorre no Brasil hoje é anormal. Como tem uma causa, isso pode ser consertado.