Economia Ministério da Economia aposta em queda menor do PIB: - 4,5%

Ministério da Economia aposta em queda menor do PIB: - 4,5%

Projeção anterior para 2020 era de - 4,7%; de acordo com a pasta, crescimento ocorre em 'V', com destaque para a indústria e os serviços

  • Economia | Do R7

Guedes diz que o Brasil vai surpreender o mundo

Guedes diz que o Brasil vai surpreender o mundo

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 18.12..2019

O Ministério da Economia vê sinais de melhora econômica robusta do Brasil mesmo durante a pandemia de covid-19 e, por causa disso, reduziu de -4,7% para -4,5% a previsão de queda do PIB (Produto Interno Bruno) em 2020. A informação consta no Boletim Macrofiscal da SPE (Secretaria de Política Econômica), divulgado nesta terça-feira (17).

Bolsonaro pede reformas da OMC e do Conselho de Segurança da ONU

De acordo com a pasta, o Brasil apresenta recuperação econômica significativa desde o terceiro trimestre do ano.

Segundo o documento do ministério, a recuperação se dá em "V", usando uma expressão bastante utilizada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Os indicadores coincidentes de atividade indicam que o  PIB continua expandindo no início do quarto trimestre", afirmou o documento divulgado nesta terça-feira.

Bolso de 42% dos brasileiros tem menos grana. Como ter renda extra?

Segundo o ministério, "indicadores coincidentes tempestivos" sugerem que a economia global não só está crescendo, mas também acelerando.  "Padrão semelhante pode ser observado para os países emergentes, inclusive para o Brasil."

Destaques seriam a indústria e os serviços, que apresentaram boa recuperação em outubro, "com forte destaque para a recuperação da manufatura brasileira".

"Dessa forma, olhando para o indicador composto, a atividade econômica
cresce e indica retomada do crescimento em 'V'", analisam os técnicos da SPE.

No boletim, ao comentar que o setor de serviços aquece à medida que se reduzem os casos de infecções pelo novo coronavírus, a secretaria vê como uma possibilidade mínima a segunda onda de covid-19.

"No entanto, semelhante ao ambiente internacional, ressalta-se que a possibilidade, ainda que muito pequena, de uma nova onda da covid traz ainda incerteza ao ambiente econômico. Entretanto, até o momento, não há sinais de elevação de casos
no Brasil. Pelo contrário, observa-se uma redução da média nacional nos últimos meses."

Inflação

O boletim também mostra uma projeção de taxa de inflação maior para 2020. De acordo com o SPE, o país deve registrar 3,13% no aumento médio de preços, medido por meio da variação do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Na avalião anterior, esperava-se 1,83% de inflação neste ano.

A alimentação, dizem os técnicos, é a principal responsável pelo aumento de preços no país.

Últimas