Economia País deve qualificar 9,6 milhões de trabalhadores até 2025, diz CNI

País deve qualificar 9,6 milhões de trabalhadores até 2025, diz CNI

A conclusão é do estudo Mapa do Trabalho Industrial, que busca identificar demandas por mão de obra

  • Economia | Vinicius Primazzi*, do R7

Até 2025, 497 mil novas vagas serão criadas

Até 2025, 497 mil novas vagas serão criadas

Divulgação/Assessoria

Pesquisa realizada pelo Observatório Nacional da Indústria mostra que o país precisará qualificar, até 2025, 2 milhões de trabalhadores do setor industrial para repor inativos ou ocupar novas vagas e 7,6 milhões que já trabalham na indústria mas precisam de atualização. O levantamento foi divulgado nesta segunda-feira (16) pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). 

Nos próximos quatro anos, 497 mil novas vagas devem ser criadas na indústria. Dessas, 90 mil demandam ensino superior, 136 mil necessitam ensino técnico, 64 mil exigem qualificação de mais de 200 horas e 208 mil pedem qualificação de menos de 200 horas.

Atualmente, 74% das vagas não exigem ensino superior ou técnico, mas a tendência é de crescimento dessa demanda, já que as empresas preferem trabalhadores com maior conhecimento técnico e com capacidade maior de resolução de problemas.

Ensino superior

Com carga horária de 2.400 a 7.200 horas, os cursos são para quem tem o ensino médio completo e pretende se tornar bacharel. A maior parte das vagas que exigem formação inicial (35.773) e aperfeiçoamento (228.387) é de analista de tecnologia de informação. Na sequência, vêm engenheiro, artista visual, desenhista industrial, gerentes de comercialização, de marketing e de comunicação e, por fim, gerentes administrativos e financeiros.

Cursos técnicos

A carga horária varia de 800 a 1.200 horas (cerca de um ano e meio), e os cursos são destinados a alunos matriculados no ensino médio ou egressos dele. A maior parte das vagas que exigem formação inicial (27.284)) e de aperfeiçoamento (156.212) são de técnico de controle da produção. A seguir, vêm técnicos de planejamento, de eletrônica, de desenvolvimento de sistemas e em operações de computadores.

Qualificação de mais ou menos de 200 horas

Esses cursos não exigem nível de escolaridade específica e são recomendados para jovens que buscam o desenvolvimento de novas habilidades e competências profissionais. Profissões como mecânico de veículos automotores, operador de máquinas de costura, mecânico de máquinas industriais, padeiro, confeiteiro e eletricista são algumas que se encaixam na categoria (+ de 200 horas). Estão incluídos (- de 200 horas) também alimentador de linhas de produção, ajudante de obras, magarefe e motorista de veículos cargueiros.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Lúcia Vinhas

Últimas