Economia Procura dispara, e camisa oficial da seleção tem lista de espera

Procura dispara, e camisa oficial da seleção tem lista de espera

Uniforme está em falta nas lojas, e Nike afirma que, em dez semanas, as vendas aumentaram 52% em relação às da Copa de 2018

  • Economia | Ana Vinhas, do R7

As camisas chamadas de Garra Brasileira, em homenagem à onça-pintada

As camisas chamadas de Garra Brasileira, em homenagem à onça-pintada

Reprodução

A procura pela camisa oficial da seleção brasileira disparou às vésperas da Copa do Mundo do Catar. Lojas e sites de esporte registram falta do produto, e há até lista de espera. A peça foi lançada em agosto pela Nike e se tornou um sucesso de vendas. Segundo a empresa, por meio da Fisia, distribuidora oficial da marca no Brasil, as vendas superaram "as expectativas mais otimistas", e a coleção é considerada "o maior lançamento da CBF da história do país".

"Nos dois primeiros dias do lançamento dos uniformes, vendemos cerca de dez vezes mais camisas em comparação a 2018. E, com dez semanas de vendas, atingimos um recorde de 52% a mais de produtos vendidos, também em relação ao mesmo período de 2018", afirma a empresa em nota.

A coleção da seleção deste ano é chamada de Garra Brasileira e tem detalhes em referência à onça-pintada. A camisa principal segue o tradicional amarelo, com marcas-d’água que fazem alusão ao animal selvagem. O uniforme reserva, azul, tem detalhes em verde na estampa de onça.

As camisas titular e reserva custam R$ 349,99 na versão masculina e feminina para adultos. O modelo infantil sai por R$ 299,99.

As redes Centauro e Bayard, entre outras, estão sem o produto e atendem diariamente centenas de clientes em busca do uniforme. Nesta quarta-feira (23), os sites da Netshoes e da Centauro só tinham o tamanho G da camisa azul.

Após três semanas sem o produto, a loja da Nike do shopping Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, recebeu um novo lote de camisas na terça-feira (22), que se esgotou em uma hora. A loja recebe mais de cem clientes por dia que procuram pela camisa, além de mais de cem ligações e mensagens de WhatsApp. "É uma ligação atrás da outra", afirmou uma vendedora.

A professora de educação física Lúcia Almeida, de 58 anos, visitou mais de dez lojas de esporte no último fim de semana em busca de uma camisa para o filho. "Além de pesquisar nos sites, a busca foi em vão, porque todas as lojas estavam com o uniforme da seleção em falta", diz a professora. 

A Nike informa que, "apesar do desabastecimento momentâneo, novos produtos estão sendo disponibilizados para reposição semanalmente". "As camisas também podem ser encontradas em outros pontos de venda do mercado, enquanto durarem os estoques."

Últimas