Produção industrial da zona do euro tem queda recorde em abril

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, redução nos 19 países do bloco foi de 28%, maior declínio desde que os registros começaram, em 1991

Bens duráveis tiveram queda de quase 50% em um ano

Bens duráveis tiveram queda de quase 50% em um ano

Agência Brasil

A produção industrial da zona do euro registrou sua maior queda mensal da história em abril, quando os bloqueios pelo coronavírus interromperam a atividade econômica em todo o bloco, mostraram nesta sexta-feira (12) dados do escritório de estatísticas da União Européia, o Eurostat.

O Eurostat disse que a produção industrial nos 19 países da zona do euro caiu 17,1% no comparativo mensal, com uma queda de 28,0% ano a ano, o maior declínio desde que os registros começaram, em 1991.

Os economistas consultados pela Reuters esperavam queda de 20,0% ,o mês e 29,5% no ano.

Leia mais: Com pandemia, indústria brasileira tem pior resultado em 18 anos

Os setores que mais sofreram foram bens de consumo duráveis, onde a produção caiu 28,9% no comparativo mensal, com queda de 47,7% no comparativo anual, e bens de capital, com queda de 26,6% ao mês e 40,9% no ano.

A maior economia da zona do euro, a Alemanha, registrou uma queda de 30,2% na produção industrial em relação ao ano anterior e a segunda e terceira maiores França e Itália encolhendo ainda mais --34,9% e 42,5%, respectivamente. Quarta maior economia, a Espanha teve uma queda de 34,3%.

O mais atingido foi a menor economia da zona do euro, Luxemburgo, com uma redução de 43,9% na produção, enquanto a Irlanda foi o único país da União Européia de 27 países a mostrar um aumento anual de 5,5% na produção.