Economia Produção industrial recua 1,1% no terceiro trimestre, aponta IBGE

Produção industrial recua 1,1% no terceiro trimestre, aponta IBGE

Atividade do setor encolheu 0,4% em setembro, na comparação com agosto, e está em nível 3,2% abaixo do período pré-pandemia

  • Economia | Do R7

Produção industrial recuou pelo 4º mês seguido

Produção industrial recuou pelo 4º mês seguido

Nacho Doce/Reuters

A produção industrial no Brasil caiu 0,4% em setembro, na comparação com agosto, e registrou o quarto mês consecutivo de perdas do setor, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (4) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A sequência de resultados negativos fez o setor encolher 1,1% no terceiro trimestre e figurar em patamar 3,2% abaixo do nível de fevereiro de 2020, o último mês sem as restrições causadas pela pandemia do novo coronavírus.

Ao recuar no período entre julho e setembro, o setor industrial interrompeu o comportamento positivo que vinha sendo registrado desde o último trimestre do ano passado (3,4%). De acordo com o gerente responsável da pesquisa, André Macedo, essa mudança é explicada pela diminuição no ritmo das quatro grandes categorias econômicas.

“Havia uma sequência, em termos trimestrais, de resultados positivos. Inclusive, no segundo trimestre deste ano houve uma expansão que se destaca (22,7%), em função de uma base de comparação bastante depreciada. E esse movimento de volta ao campo negativo é justificado pelos resultados em todas as categorias econômicas, em especial do segmento de bens de consumo duráveis", explica ele. 

“Houve queda na produção em sete dos nove meses deste ano. O que há de diferente em setembro é que a retração foi mais concentrada em poucas atividades", aponta Macedo. Segundo ele, o cenário é "bastante caracterizado pela perda de dinamismo” do setor. 

Segmentos

Apesar dos recuos recentes, a produção industrial acumula expansão de 7,5% no ano e, nos últimos 12 meses, de 6,4%. Na comparação com setembro do ano passado, o resultado do mês é 3,9% pior. Os desempenhos mantêm o segmento em patamar 19,4% abaixo do nível recorde, registrado em maio de 2011.

Entre as 26 atividades analisadas pela PIM (Pesquisa Industrial Mensal), dez apresentaram resultados negativos em setembro. Entre elas, os maiores impactos no índice geral partiram dos segmentos de produtos alimentícios, que recuou 1,3%, e de metalurgia (-2,5%).

"Tanto a metalurgia quanto o segmento de produtos alimentícios têm peso importante dentro do contexto da produção industrial e explicam essa concentração de poucas atividades com comportamento negativo”, afirma Macedo. 

Também apresentaram queda na passagem de agosto para setembro os segmentos de couro, artigos para viagem e calçados (-5,5%), de outros equipamentos de transporte (-7,6%), de bebidas (-1,7%), de indústrias extrativas (-0,3%), de móveis (-3,7%) e de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-1,7%).

Por outro lado, ampliaram suas atividades os segmentos de farmoquímicos e farmacêuticos (6,5%), de outros produtos químicos (2,3%), de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (1%) e de máquinas e equipamentos (1,9%). Outras altas vieram de celulose, papel e produtos de papel (1,2%), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (1,7%) e de produtos do fumo (6,6%).

Últimas