Produção industrial tem quarta alta consecutiva em agosto, diz IBGE

O setor registrou crescimento de 3,2% em agosto na comparação com julho, segundo a PIM (Pesquisa Industrial Mensal), divulgada nesta sexta

Produção industrial teve alta de 3,2% em agosto

Produção industrial teve alta de 3,2% em agosto

REUTERS/Alexandre Mota

A produção da indústria nacional teve alta pelo quarto mês consecutivo e registrou crescimento de 3,2% em agosto, na comparação com julho, segundo a PIM (Pesquisa Industrial Mensal), divulgada nesta sexta-feira (2) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Leia mais: Desemprego avança e atinge 13,5 milhões na 2ª semana de setembro

No entanto, o setor ainda não conseguiu se recuperar das perdas de 27% registradas em março e abril, quando a indústria atingiu o patamar mais baixo da série, por conta dos efeitos da pandemia do novo coronavírus. No acumulado no ano, a produção recuou 8,6% em 2020.

Para André Macedo, gerente de pesquisa, o resultado de agosto mostra que a indústria brasileira segue se recuperando após o agravamento das medidas para conter a disseminação do coronavírus.

“Há uma manutenção de certo comportamento positivo do setor industrial nos últimos meses. É um avanço bem consistente e disseminado entre as categorias, mas ainda há uma parte a ser recuperada”, avalia.

Indústria de automóveis em destaque

A atividade mais influente no mês de agosto foi a de veículos automotores, reboques e carrocerias, que cresceu 19,2%. Nos últimos quatro meses, o setor acumula alta de 901,6%, mas ainda se encontra 22,4% abaixo do patamar registrado em fevereiro, período pré-pandemia. 

Veja também: Governo vai prorrogar novamente corte de jornada e salário

"A produção dos automóveis impacta não só dentro da categoria de Bens de consumo duráveis, mas no setor industrial como um todo, porque influi na confecção de autopeças, caminhões e carros em geral”, afirma Macedo.

O levantamento mostra que todas as grandes categorias mostraram avanços no mês de agosto, em comparação com julho. Bens de consumo duráveis apresentou crescimento de 18,5%, quarto mês consecutivo de expansão no setor, com acumulado de 524,2% nesse período. O segmento, porém, ainda não se reabilitou completamente dos efeitos da pandemia, e está 3% abaixo do patamar de fevereiro.

Bens de capital (2,4%), Bens intermediários (2,3%) e Bens de consumo semi e não-duráveis (0,6%) também cresceram em agosto, mas abaixo da média da indústria. Todos também aumentaram pelo quarto mês consecutivo e acumularam, nesse período, ganhos de 76,4%, 25,2% e 25,0%, respectivamente.

Recuperação no trimestre

Depois de encerrar o segundo trimestre do ano, de abril a junho, com queda de 19,4% — a mais intensa desde o início da série histórica —, o final de agosto marcou um período de recuperação. 

A média móvel trimestral registrou crescimento de 6,9% no trimestre encerrado em agosto de 2020. Para o trimestre encerrado em julho, o aumento foi de 8,9%, quando interrompeu a trajetória predominantemente descendente iniciada em novembro de 2019.