Economia Receita abre consulta a lote da malha fina do Imposto de Renda

Receita abre consulta a lote da malha fina do Imposto de Renda

Primeiro pagamento de restituições de lote residual do ano contemplará 185.891 contribuintes. Valor será creditado na conta em 15 de janeiro

185.891 contribuintes serão contemplados no lote

185.891 contribuintes serão contemplados no lote

Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress - 05.07.2019

A Receita Federal abre nesta quarta-feira (8), a partir das 9 horas, consulta ao lote multiexercício de restituição do IRPF (Imposto sobre a Renda da Pessoa Física), contemplando as restituições residuais referentes aos exercícios de 2008 a 2019.

O crédito bancário para 185.891 contribuintes será realizado no dia 15 de janeiro, totalizando R$ 725  milhões.

É o primeiro lote de malha fina que será pago pelo Fisco em 2020. Um total de  700.221 contribuintes tiveram a restituição retida em 2019, segundo a Receita.

Leia também: Não está no último lote do IR? Saiba o que fazer se caiu na malha fina

Desse total, R$ 399.520.451,84 são para o pagamento de 8.010 contribuintes idosos acima de 80 anos, 36.161 contribuintes entre 60 e 79 anos, 4.412 contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e 9.387 contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Malha fina

O contribuinte que não foi contemplado até o sétimo e último lote de restituições de 2019, nem no lote desta quarta-feira (8), automaticamente teve a declaração retida pela Receita e deverá regularizar a situação.

Leia também: Receita envia 330 mil cartas a contribuintes na malha fina do IR

Somente com a retificação das informações e correção das pendências, o contribuinte terá a restituição liberada.

Em 2019, segundo a Receita Federal, 74,9% das declarações retidas têm imposto a restituir, 22,4% têm imposto a pagar e 2,7% têm saldo zero.

Os principais motivos para a retenção na malha fina foram:  

• Omissão de rendimentos do titular ou seus dependentes (35,6% dos casos);
• Inconsistência na dedução de despesas médicas (25,1%);
• Divergências entre o Imposto de Renda Retido na Fonte informado na declaração e o informado pela fonte pagadora (23,5%); e
• Problemas na dedução de previdência oficial ou privada, dependentes, pensão alimentícia e outras (12,5%).

Para retificar a situação com a Receita, o contribuinte deverá consultar o extrato do processamento da declaração no e-CAC (Centro Virtual de Atendimento) da Fisco para verificar a inconsistência.

É preciso informar o código de acesso ou o certificado digital para entrar na página. Para gerar é preciso ter os números dos recibos das duas últimas declarações entregues.

Depois de constatar o problema, o contribuinte deve fazer a declaração retificadora, por meio do mesmo programa usado para enviar a declaração original. O programa pode ser baixado na página da Receita na internet.