Rússia e Opep aprovam corte histórico na produção de petróleo

Corte de produção vai reduzir 10% da oferta global do combustível para apoiar os preços em meio à pandemia do coronavírus

Nick Oxford/ Reuters - 11.02.2019

A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), Rússia e outros países produtores de petróleo concordaram neste domingo (12) com um corte na produção em volume recorde, representando 10% da oferta global, para apoiar os preços do petróleo em meio à pandemia do coronavírus.

O grupo, conhecido como Opep+, acordou a redução da produção em 9,7 milhões de barris por dia em maio e junho, depois de quatro dias de negociações e após a pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para impedir a queda de preços.

Leia mais: Economia brasileira vai encolher 5% em 2020, prevê Banco Mundial

O acordo foi fechado em uma videoconferência neste domingo e confirmado em um comunicado do Ministério da Energia do Cazaquistão. No maior corte na produção de petróleo de todos os tempos, os países continuarão diminuindo gradualmente os freios à produção por dois anos até abril de 2022.

Medidas para conter a disseminação do coronavírus destruíram a demanda por combustível e reduziram os preços do petróleo, pressionando os orçamentos dos produtores de petróleo e prejudicando a indústria de xisto dos Estados Unidos, que é mais vulnerável a preços baixos devido aos seus custos mais altos.

A Opep também disse que queria que produtores de fora do grupo, como Estados Unidos, Canadá, Brasil e Noruega, cortassem mais 5% da produção ou 5 milhões de barris por dia.

Encher o tanque com gasolina ficou R$ 15 mais barato em 11 semanas

O ministro de Minas e Energia do Brasil, Bento Albuquerque, disse na sexta-feira que, por questões legais, o governo brasileiro não tem influência sobre o mercado de petróleo, sendo apenas responsável pelas políticas públicas do setor. Também afirmou que a Petrobras, que é controlada pela União, já reduziu sua produção em 200 mil bpd, o que representa 20% do total das exportações de petróleo do Brasil.

Canadá e Noruega sinalizaram disposição para cortar e os Estados Unidos, onde a legislação também dificulta a atuação em conjunto com cartéis como a Opep, disseram que sua produção cairia acentuadamente este ano devido aos baixos preços.

A assinatura do acordo da Opep+ foi adiada desde quinta-feira pela resistência do México aos cortes de produção que foi solicitado a fazer.

O presidente do México, Andres Manuel Lopez Obrador, afirmou na sexta-feira que Trump se oferecera para fazer cortes extras nos EUA em seu nome, uma oferta incomum de um Trump que há muito se opõe à Opep.

Trump, que havia ameaçado a Arábia Saudita com tarifas sobre o petróleo se o país não resolvesse o problema de excesso de oferta do mercado, disse que Washington ajudaria o México pegando "parte da folga" e sendo reembolsado mais tarde.

Neste domingo, o México afirmou que reduzirá sua produção de petróleo em 100.000 barris por dia a partir de maio. A Opep+ havia pedido ao México que diminuísse a produção em 400.000 barris por dia.

O Ministério da Energia do Azerbaijão disse que os Estados Unidos compensarão o México cortando a produção em outros 300.000 barris por dia. O patamar representa 50.000 barris por dia a mais do que Lopez Obrador e Trump haviam concordado anteriormente.

Uma autoridade mexicana confirmou o anúncio do ministério azeri de que os Estados Unidos assumiriam a responsabilidade por 300.000 barris por dia em cortes para o México.