Economia 'Se simplificarmos os impostos, ganhamos todos', diz Guedes

'Se simplificarmos os impostos, ganhamos todos', diz Guedes

Ministro da Economia defendeu que governo, Estados e municípios sejam sócios em prol da reforma tributária

  • Economia | Do R7

Guedes criticou formação tributária do Brasil

Guedes criticou formação tributária do Brasil

Marcelo Camargo/Agência Brasil - 22.07.2021

O ministro da Economia, Paulo Guedes, saiu em defesa da reforma tributária nesta sexta-feira (20) no Senado Federal em audiência com a participação de representantes de Estados e municípios.

Segundo o ministro, basta "ninguém botar a mão no bolso de ninguém" para que a proposta seja positiva a todos os entes. “Nós somos sócios. Se nós simplificarmos os impostos, o Brasil cresce mais e ganhamos todos", avaliou Guedes, que defendeu mais conversas.

Na avaliação de Guedes, o Brasil tributa em excesso e distribui mal os recursos recebidos. “Tá tudo fora do lugar”, pontou o ministro ao garantir que a proposta de reforma apresentada não prejudica os municípios.

Ele lembrou a formação nacional e disse que a tributação no Brasil traz tudo "fora do lugar" e "jogou Estados e municípios ao mar" na tentativa de conter a inflação no início da década de 90. "A Constituição mandava descentralizar os recursos, só que o combate à inflação levou tanto tempo que o governo federal desistiu do pacto federativo e criou contribuições que ele não compartilha com os Estados e municípios", pontuou.

"O [governo do ex-presidente] Fernando Henrique foi o que mais aumentou imposto e tudo contribuição, para não dividir com ninguém. Ligou a máquina de carimbar dinheiro e não desligamos até hoje", criticou o ministro ao defender "alguns passos" na direção certa para corrigir os erros do passado.

De acordo com Guedes, a hiperinflação deixou uma "herança maldita" de dívida para a União e Estados e municípios endividados. "O governo federal fica com muito dinheiro, só que ele gasta tudo mal também. Ele tem que pagar os juros da dívida, obrigatórios de previdência e as vezes caem meteoros do Supremo e do Congresso", lamentou.

Últimas