Economia 'Tinders do Emprego' conectam empresas e profissionais

'Tinders do Emprego' conectam empresas e profissionais

Aplicativos recebem cadastros e dão "match" entre trabalhadores e empregadores com interesses específicos no mercado de trabalho

Tinders do Emprego

Apps permitem conversas e contratações 100% online

Apps permitem conversas e contratações 100% online

Pixabay

Filas de emprego, classificados de jornais e o envio de currículos podem estar com os dias contados. Isso devido ao desenvolvimento de aplicativos que conectam empresas e profissionais de acordo com as características especificadas, uma espécie de "Tinder do Emprego".

O consultou e engenheiro de telecomunicações Ricardo Bassoi, 44 anos, confessa ter ficado incrédulo ao conhecer o aplicativo. Mesmo assim, topou a ideia de se cadastrar em uma das plataformas disponíveis no mercado de trabalho. Ele foi selecionado por uma empresa e aprovou a ideia.

"Eles fazem um casamento quase perfeito da empresa com o profissional cadastrado no banco de dados. Esse 'match' garante um sucesso muito bom, tanto para o profissional que vê empresas interessadas pelo perfil dele, quanto para a empresas que buscam um trabalhador muito específico", avalia Bassoi.

IBGE: País perde 380 mil vagas com carteira assinada em um ano

No Empreguei, o candidato se cadastra no aplicativo e faz quatro testes online para que seja identificado os perfis comportamental e profissional dos profissionais. As empresas, que precisam fechar um contrato com a plataforma, seguem o mesmo procedimento e indicam as especificações dos trabalhadores que procuram.

Cadastros permitem "match" virtual nas plataformas

Cadastros permitem "match" virtual nas plataformas

Reprodução/Google Play

"Quando o sistema faz o 'match' eletrônico, empresa e profissional são conectados e podem conversar dentro da própria plataforma. [...] Se entrar alguma vaga compatível com o perfil do candidato, ele recebe imediatamente uma notificação no celular", explica Furtado.

Leia também: Um terço das contratações de 2018 foram realizadas nas capitais

Mais focada na contratação de profissionais com competências específicas para projetos, a Alstra foi desenvolvida a partir da percepção de que o mercado de trabalho apresentava um "modelo relativamente ineficiente", conforme explica Cai Igel, fundados da plataforma 100% online. "A gente viu uma oportunidade de ajudar empresas e consultores."

Apesar da maior parte das vagas criadas pela Alstra serem por um período “entre três e seis meses”, Igel avalia que o aplicativo é utilizado muitas vezes como uma porta de entrada aos profissionais no mercado de trabalho.

Projeto do governo

A ideia de conectar empresas e trabalhadores também aparece como uma das metas iniciais do governo federal para reduzir a quantidade de profissionais desocupados, que somavam 12,7 milhões no trimestre encerrado em janeiro, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A proposta do Planalto, nomeada de “Sine Aberto”, visa abrir cadastros de desempregados para empresas privadas do setor de recrutamento. O projeto leva em conta que menos de 3% dos trabalhadores admitidos nos 11 primeiros meses de 2017 fez uso do Sine (Sistema Nacional de Emprego).

Recrutamento online é a nova forma de garantir uma vaga de emprego