Economia Uso do Pix no Brasil já é maior que o de DOC, TED e boleto, diz BC

Uso do Pix no Brasil já é maior que o de DOC, TED e boleto, diz BC

Entre novembro de 2020 e março de 2021, foram feitas 1 bilhão de transações por Pix, totalizando R$ 787,2 bilhões, segundo o BC

Agência Estado
Pix entrou em operação em novembro de 2020 e, desde então, uso vem crescendo mês a mês

Pix entrou em operação em novembro de 2020 e, desde então, uso vem crescendo mês a mês

Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

A utilização do Pix - o serviço brasileiro de pagamentos instantâneos - já supera a de outros meios de pagamentos mais antigos, como DOC, TED e boleto bancário. A constatação foi feita nesta quinta-feira (20) pelo Banco Central por meio do documento "Pix: O novo meio de pagamento brasileiro".

Em operação desde 16 de novembro de 2020, o Pix registrava no fim de março, conforme o BC, 206,6 milhões de chaves - identificadores como e-mail, CPF, CNPJ, celular ou número aleatório, utilizados para o recebimento de recursos.

No documento, o BC informou que entre novembro de 2020 e março de 2021 foram feitas 1 bilhão de transações por Pix, em um total de R$ 787,2 bilhões. "Comparando com outros meios de pagamento, nota-se que o uso do Pix vem crescendo a cada mês e já é maior que o uso de TEDs e de DOCs somados. Em março, a quantidade de Pix superou a quantidade de boletos liquidados", disse o BC.

Últimas