Economia Venda de carros com desconto do governo supera 45 mil, aponta levantamento

Venda de carros com desconto do governo supera 45 mil, aponta levantamento

A Fiat lidera as vendas, com 14.061 veículos, seguida pela Volkswagen, com 9.655; mas o carro mais vendido foi o Polo 

  • Economia | Do R7

Pátio de montadora no ABC

Pátio de montadora no ABC

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O número de carros vendidos com descontos patrocinados pelo governo federal foi de 45.298 em 21 dias. O levantamento, feito pela Jato Brasil, consultoria para as principais montadoras de carros, importadoras e redes de distribuidoras, inclui as vendas realizadas entre os dias 6 e 26 de junho.

A montadora que lidera as vendas é a Fiat, com 14.061 veículos, seguida pela Volkswagen, com 9.655. Mas o carro mais comercializado foi o Polo, da Volks, com 5.222 unidades. O Strada, da Fiat, vem em segundo lugar, com 4.960, seguido pelo HB20, da Hyundai, com 3.523, e pelo Onix, da Chevrolet, com 3.321.

A Volkswagen, que produz o Polo, anunciou nesta terça-feira (27) a paralisação da produção de suas fábricas por causa da demanda fraca.

O programa, lançado no dia 5 de junho pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços), já havia liberado até a semana passada mais de 90% dos créditos tributários previstos para as montadoras. O ministério ainda não divulgou a atualização.

Segundo o painel do MDCI, até sexta-feira (23) já haviam sido liberados R$ 420 milhões para as montadoras, o que representa quase 90% do total, de R$ 500 milhões.

Os créditos solicitados são convertidos em descontos para o consumidor na compra de carros com valor de mercado de até R$ 120 mil. Os descontos patrocinados pelo governo vão de R$ 2.000 a R$ 8.000, mas muitas empresas têm aplicado margens maiores por conta própria. 

Número de carros vendidos

FIAT – 14.061
VOLKSWAGEN – 9.655
CHEVROLET – 6.490
HYUNDAI – 4.232
RENAULT – 3.573
TOYOTA – 2.132
PEUGEOT – 1.836
CITROËN – 1.178
JEEP – 922
NISSAN – 739
HONDA – 480

A Fiat também lidera o volume de créditos solicitados, com R$ 190 milhões; é seguida por Volkswagen, com R$ 60 milhões, Peugeot (R$ 50 milhões), Renault (R$ 50 milhões) e Hyundai (R$ 40 milhões). Ford, General Motors, Mercedes-Benz, Nissan e On-Highway pediram R$ 20 milhões cada uma.

De acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), o movimento nas revendedoras chegou a triplicar na primeira semana do programa. No entanto, a federação só deverá divulgar o impacto nas vendas no início de julho.

No mês passado, o segmento registrou o pior maio desde 2016, com 166.361 carros novos vendidos. A queda foi de 5% em relação ao mesmo mês de 2022.

A entidade estima que os créditos tributários autorizados pelo governo não devem durar muito mais do que 30 dias.

A assessoria de imprensa do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços afirma que não há previsão de prorrogar os valores a fim de manter a venda com descontos por mais tempo. "Até o momento não há nenhuma sinalização de prorrogação", informou a pasta em nota.

Uma portaria publicada nesta terça (27), em edição extra do Diário Oficial da União, prolongou por mais 15 dias, até 5 de julho, a exclusividade das vendas de carros para pessoa física. Para ônibus e caminhões, a exclusividade terminou na segunda-feira.

Entenda o programa

O programa determina desconto direto ao consumidor, com recursos de R$ 500 milhões para carros, R$ 700 milhões para caminhões e R$ 300 milhões para ônibus. Os montantes devem ser convertidos em descontos para o comprador na hora da venda do veículo.

Para os carros, os descontos patrocinados pelo governo vão de R$ 2.000 a R$ 8.000 e são válidos para veículos novos com preço de mercado de até R$ 120 mil. As montadoras podem aplicar descontos adicionais por conta própria, como vem ocorrendo.

No caso de caminhões e ônibus, os descontos vão de R$ 33,6 mil a R$ 99,4 mil.

As montadoras ampliaram a oferta de carros mais baratos no programa de descontos do governo federal, lançado pelo MDIC em 5 de junho. O número de modelos que podem ter descontos de R$ 2.000 a R$ 8.000 subiu para 266. Inicialmente, eram 232. Essas versões correspondem a 32 carros de nove montadoras.

Veja aqui a relação de todos os modelos e veículos incluídos

Entre os critérios para definir os descontos dos automóveis estão:

• maior eficiência energética;
• maior densidade industrial (capacidade de gerar emprego e crescimento no entorno); e
• menor preço.

Quanto maior a soma desses fatores, maior o desconto no preço do carro.

Para caminhões e ônibus novos, o escalonamento seguiu apenas o critério do preço, em proporção inversa ao do usado para os carros, ou seja, os descontos aumentam conforme os veículos vão ficando mais caros. Podem ser adquiridos modelos leves, semileves, médios, semipesados e pesados, além de ônibus urbanos e rodoviários.

Para participar do programa, a pessoa ou empresa interessada tem de entregar à concessionária um caminhão ou um ônibus com mais de 20 anos de uso. Os veículos velhos devem ser encaminhados a recicladoras cadastradas nos Detrans.

Veja os descontos de 32 modelos que estão no programa de carro popular

Últimas