Vendas do Tesouro Direto caem 27,6% em janeiro

De acordo com informações divulgadas nesta quarta (26), venda de títulos públicos a pessoas físicas somou R$ 2,047 bilhões no primeiro mês de 2020

Vendas do Tesouro Direto somaram R$ 2,047 bilhões em janeiro

Vendas do Tesouro Direto somaram R$ 2,047 bilhões em janeiro

Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A venda de títulos públicos a pessoas físicas somou R$ 2,047 bilhões em janeiro, informou nesta quarta-feira (26) o Tesouro Nacional. O valor vendido por meio do programa Tesouro Direto representa queda de 27,6% em relação a janeiro do ano passado, quando haviam sido vendidos R$ 2,829 bilhões, o maior valor para o mês.

Leia mais: Dólar bate novo recorde e vai a R$ 4,44 com avanço do coronavírus

O número de investidores ativos somou 1.211.123. Apenas no mês passado, 9.942 participantes passaram a investir em títulos públicos. O número de investidores cadastrados — ativos e não ativos — totalizou 5.945.793 pessoas.

Veja mais: Sobrou mês no fim do salário? Veja 8 dicas para seu dinheiro render mais

No mês passado, os títulos mais vendidos foram vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia). Esses papéis concentraram 55,7% das vendas em janeiro. Em segundo lugar, vieram os papéis corrigidos pela inflação oficial pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que responderam por 29,9% das vendas.

Em terceiro, ficaram os títulos prefixados (com juros definidos antecipadamente), que responderam por 14,4% das vendas. Os investimentos de menor valor continuaram a liderar a preferência dos aplicadores. As vendas abaixo de R$ 1 mil concentraram 67,7% do volume aplicado no mês

Com o resultado de janeiro, o estoque de títulos públicos aplicados no Tesouro Direto teve leve queda de 0,59% em relação a dezembro, alcançando R$ 59,295 bilhões. Isso ocorreu porque, no mês passado, o Tesouro resgatou R$ 3,005 bilhões. A variação do estoque representa a diferença entre as vendas e os resgates, mais o reconhecimento dos juros que incidem sobre os títulos.

O Tesouro Direto foi criado em janeiro de 2002 para popularizar esse tipo de aplicação e permitir que pessoas físicas possam adquirir títulos públicos diretamente do Tesouro, via internet, sem intermediação de agentes financeiros. O aplicador só tem de pagar uma taxa à corretora responsável pela custódia dos títulos. Mais informações podem ser obtidas no site do Tesouro Direto.

A venda de títulos é uma das formas que o governo tem de captar recursos para pagar dívidas e honrar compromissos. Em troca, o Tesouro Nacional se compromete a devolver o valor com um adicional que pode variar de acordo com a Selic, índices de inflação, câmbio ou uma taxa definida antecipadamente no caso dos papéis prefixados.