Economia Vendas no varejo crescem 1,1% em novembro de 2022, na comparação com ano passado

Vendas no varejo crescem 1,1% em novembro de 2022, na comparação com ano passado

Black Friday e Copa do Mundo puxaram o resultado positivo; em São Paulo, avanço do setor foi de 3,2% em relação a 2021 

  • Economia | Do R7, com agências

As vendas no varejo tiveram alta de 1,1% em todo o país em novembro

As vendas no varejo tiveram alta de 1,1% em todo o país em novembro

Reuters/Pilar Olivares

Em todo o país, as vendas no varejo cresceram 1,1% em novembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o ICVA (Índice Cielo do Varejo Ampliado). Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, a alta foi de 10,3%, com postos de combustíveis, supermercados e hipermercados, e empresas de turismo e transporte ajudando a impulsionar as vendas, que apresentam aumento por 13 meses seguidos.

Para Vitor Levi, superintendente de dados e inovação da Cielo, o comércio continua em recuperação, e a Copa do Mundo beneficiou especialmente o segmento de bares, que chegou a faturar até 60,9% a mais nos dias de jogo da seleção brasileira. "Novembro marcou o 13º mês seguido de alta nas vendas, que também foi ajudado pela Black Friday, quando varejistas fizeram promoções, e os consumidores anteciparam compras. Do início do mês até a véspera da data comemorativa, houve um crescimento de 15,6% ante o mesmo período do ano anterior", afirma.

De maneira geral, efeitos de calendário beneficiaram o índice. Este ano teve uma quarta-feira a mais, dia de comércio mais ativo, e uma segunda-feira a menos que novembro de 2021. Além disso, o feriado de 15 de novembro caiu em uma terça-feira, o que provocou um prolongamento de quatro dias dos dias de folga do trabalho; no ano passado o feriado caiu numa segunda-feira.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), apurado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), apontou alta de 5,90% no acumulado dos últimos 12 meses, com alta de 0,41% em novembro. Os grupos de Transportes e Alimentação e Bebidas foram os que mais pressionaram a inflação. Ao ponderar o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, vê-se que a inflação no varejo ampliado foi de 9,03% em novembro, o que indica uma desaceleração na comparação com o mês anterior.

Descontada a inflação, e com o ajuste de calendário, os macrossetores de Bens Não Duráveis e Serviços avançaram ante a base anual, com destaque para Postos de Gasolina e Turismo e Transporte. Já o setor de Bens Duráveis e Semiduráveis sofreu queda, impactado pelo segmento de Vestuário.

Somente a região Sudeste apresentou queda nas vendas, de 0,1%. De acordo com o ICVA deflacionado e com ajuste de calendário, a região Sul registrou alta de 3,2%, seguida pelas regiões Norte (1,8%), Nordeste (1,6%), e Centro-Oeste (0,4%).

O varejo paulistano

A movimentação no varejo paulistano registrou alta de 3,2% em novembro, comparado com o mesmo mês de 2021, de acordo com os dados do Balanço de Vendas da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), indicador elaborado pelo IEGV (Instituto de Economia Gastão Vidigal), com amostra da Boa Vista Serviços. Frente ao mesmo mês de 2019, o avanço foi de 4,1% e, em relação a outubro deste ano, o crescimento foi de 18,3%. 

Segundo avaliação do economista da ACSP, Marcel Solimeo, os resultados refletem o ritmo mais acelerado da economia, maior ocupação e melhora nos indicadores de emprego. “Temos que considerar outros dois fatores de influência nessa maior movimentação que foi a Black Friday e as compras relacionadas à Copa do Mundo”, comentou.

De acordo com a expectativa do instituto de economia da ACSP, as vendas continuarão aquecidas. Para este Natal, os economistas projetam crescimento real de 3% sobre o ano anterior.

As estimativas se confirmam com base na sondagem feita pela entidade com consumidores do estado de São Paulo e da capital paulista. De acordo com a amostra, 50,8% dos entrevistados paulistas pretendem fazer compras na data; entre os moradores da cidade de São Paulo, o percentual de intenções de compra registrado foi de 53,5%.

Últimas