Economia Visto para investidor viver nos EUA ficará 80% mais caro em novembro

Visto para investidor viver nos EUA ficará 80% mais caro em novembro

Aplicação mínima para obter o direito de emigrar legalmente para os Estados Unidos saltará de R$ 2 milhões para R$ 3,6 milhões

Eb-5

EB-5 vai sofrer primeiro reajuste em 29 anos

EB-5 vai sofrer primeiro reajuste em 29 anos

Divulgação/Itamaraty

O direito de emigrar legalmente para os Estados Unidos como investidor ficará 80% mais caro a partir do mês de novembro. Já cogitada há três anos, a decisão foi confirmada pelo governo norte-americano e o preço mínimo para a obtenção do EB-5 saltará de R$ 2 milhões (US$ 500 mil) para R$ 3,6 milhões (US$ 900 mil).

Lançado em 1990, o visto EB-5 concede o “Green Card” (visto de permanência nos EUA) àqueles que realizarem aplicações que gerem empregos na ‘Terra do Tio Sam’. O investimento poder ser feito em um negócio próprio ou com o incentivo para a construção de um empreendimento.

Veja mais: Polícia descobre laboratório de documentos falsos em Madri

Entre 2014 e 2018, a quantidade de vistos EB-5 concedidos a brasileiros aumentou mais de 1.000%. O diretor de investimentos da Driftwood, Andre Salles, nega que a maior procura pelo modelo tenha influenciado o aumento expressivo de preço.

"Esse programa foi criado exatamente com os mesmos valores que estão sendo praticados hoje. Depois de 29 anos, a atualização monetária era necessária e é isso que está acontecendo”, explica Salles.

O presidente do Grupo Oxford, Carlo Barbieri, afirma que neste ano o otimismo com a mudança de governo fez com que a procura pelo EB-5 diminuísse no primeiro trimestre. “A consolidação da ideia de que o Brasil não deve melhorar a curto prazo voltou a impulsionar a necessidade do visto”, observa ele.

Para os investidores que optarem por fazer o investimento em áreas de mais nobres dos Estados Unidos, como Manhattan e Miami, o valor inicial para conseguir o visto EB-5 também aumentou 80%, passando de R$ 4 milhões (US$ 1 milhão) para R$ 7,2 milhões (US$ 1.8 milhão).

De acordo com Barbieri, o preço mais caro “nunca foi aplicado” mesmo para as localidades mais procuradas. “Os Estados concediam as autorizações com certa flexibilidade e era muito mais interessante para o investidor aplicar em regiões mais nobres, o que prejudicava as áreas de baixo desenvolvimento econômico”, afirma o presidente do Grupo Oxford, que vê uma “justiça maior” com as mudanças da regra.

Nova lei de imigração dos EUA põe até a Estátua da Liberdade na mira

Salles atenta ainda para a mudança na definição de quais são as áreas que aceitarão os aportes menores. "A partir do dia 21 de novembro, a definição do que é uma CEA [zona onde o desemprego é 50% maior do que a média nacional] passa para as mãos do departamento de imigração", explica o diretor de investimentos.

Ainda dá tempo

Os investidores que ainda sonham em conseguir o visto pagando menos têm ainda tempo suficiente para obter o EB-5. "Não muda nada para quem já aplicou e nem para quem aplicar até o dia 21 de novembro”, garante Salles.

Barbieri analisa que as mudanças devem “trazer uma desaceleração no interesse de obtenção do Green Card com o EB-5”. Ele destaca que com a mudança da regra cresce o número de interessados no modelo. “Todos estão com a preocupação de não perder a oportunidade”.

Regra de Trump permitirá que EUA cancelem e neguem vistos à vontade

Segundo Barbieri, o tempo para preparar a documentação, dar entrada e obter o EB-5 no passaporte leva de seis a oito semanas. “Se a pessoa providenciar a documentação até o final de agosto, pode ficar tranquila, porque a prova de fundos é normalmente a parte mais demorada”, diz ele, que classifica o visto como um dos mais fáceis de ser aprovado.

Na avaliação de Salles, “o governo norte-americano foi muito bacana em dar tempo suficiente para todos os que estão em início de processou tenha tempo suficiente para concluir o planejamento".