Educação Campanha pede que meninos usem saia contra o sexismo em escolas da França amanhã 

Campanha pede que meninos usem saia contra o sexismo em escolas da França amanhã 

Diversas associações e partidos políticos mostraram rejeição à iniciativa

Campanha pede que meninos usem saia contra o sexismo em escolas da França amanhã 

Uma campanha estudantil apoiada pelo governo em que alunos de 27 institutos de Nantes, a noroeste da França, irão vestidos amanhã (16) de saia para conscientizar sobre o sexismo gerou polêmica na França.

Diversas associações e partidos políticos mostraram sua rejeição a essa iniciativa, batizada por seus impulsores como "Ce que soulève la jupe" (O que a saia esconde), peça de roupa que, segundo eles, é ideológica e nega a diversidade de ideias no plano sexual. 

“USP de saia” acontece hoje em São Paulo; homens vestem peça feminina em protesto

— Quando vamos explicar a nossos jovens que a tolerância não é sermos todos iguais, mas sermos diferentes e nos respeitarmos como tais?, perguntou o líder da oposição conservadora na prefeitura de Nantes, Laurence Garnier.

O coletivo "Manif pour tous", conhecido por sua forte oposição ao casamento homossexual, se mostrou contrário à iniciativa e convocou uma manifestação à qual foram cerca de 200 pessoas diante do instituto Clemenceau de Nantes.

— Todas as discriminações devem ser combatidas, mas não podemos aceitar qualquer coisa, afirmou a presidente do coletivo, Ludovine da Rochère, que pediu ao ministro da Educação, Benoît Hamon, que anulasse a iniciativa.

Hamon minimizou a importância do assunto e lembrou que nenhum aluno é obrigado a participar do que qualificou como um ato "colegial" e afirmou que ele "utiliza o humor para lutar contra os preconceitos sexistas".

Leia mais sobre Educação no R7 

Para a presidente da Federação de Pais de Alunos de Nantes, Élisabeth Costagliola, a proposta não tem "nenhum efeito negativo" e pode apresentar ideias positivas, segundo declarou ao jornal Le Figaro.

Histórico 

A campanha já aconteceu no ano passado em 20 colégios da região de Nantes e obteve a participação de 40% dos estudantes, segundo dados dos organizadores. 

"Ce que soulève a jupe" deve seu nome ao livro publicado em 2010 pela historiadora francesa Christine Bard, no qual se faz um percurso histórico sobre o mundo feminino e se questionam os valores associados à feminilidade.

A iniciativa, cujo lema é "Mulheres, homens, vistamos a igualdade", foi premiada no concurso nacional "Experithèque" de "estímulo a inovações e experimentações pedagógicas".