Covid-19 muda calendário de provas de olimpíada de matemática

A prova da primeira fase, que seria agora em maio, passou para setembro. Alteração visa permitir que todos possam participar com segurança

Por conta do novo coronavírus, o Impa definiu as novas datas das provas

Por conta do novo coronavírus, o Impa definiu as novas datas das provas

IMPA/Divulgação

Com número recorde de municípios inscritos este ano (5.561, seis a mais do que em 2019) e alcançando 99,84% das cidades do país, a 16ª Obmep 2020 (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas) terá a participação de 17.729.451 alunos de 51.932 escolas municipais, estaduais, federais e privadas.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, o Impa (Instituto de Matemática Pura e Aplicada), realizador da olimpíada com apoio da SBM (Sociedade Brasileira de Matemática), definiu as novas datas das provas da competição. A prova da primeira fase, que seria agora em maio, passou para setembro.

Com isso, a 16ª edição da Obmep fará a primeira prova em 22 de setembro, prevendo-se a segunda etapa para 27 de março de 2021. A alteração do calendário visa permitir que todas as escolas, professores e estudantes possam participar com segurança.

Leia também: Senado Federal deve votar adiamento do Enem nesta terça

Com a mudança, a divulgação dos estudantes classificados para a segunda fase ocorrerá em 4 de novembro. Os locais de prova da segunda etapa serão definidos em 24 de fevereiro de 2021. O anúncio dos premiados será feito em 15 de junho do ano que vem.

Provas terão duas fases

As provas serão em duas fases e são divididas pelo grau de escolaridade: Nível 1 (6º e 7º anos do ensino fundamental), Nível 2 (8º e 9º anos) e Nível 3 (ensino médio).

Serão distribuídas 7.475 medalhas para os participantes. Para os alunos de escolas públicas, são 500 de ouro, 1.500 de prata e 4.500 de bronze. E para a rede particular de ensino, 75 medalhas de ouro, 225 de prata e 675 de bronze.

Todos os medalhistas da Obmep são convidados a participar do PIC Jr. (Programa de Iniciação Científica), como incentivo e promoção do desenvolvimento acadêmico.

Os alunos da rede pública premiados recebem bolsa de Iniciação Científica Jr. do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), no valor de R$ 100 por mês. Os medalhistas da rede particular de ensino poderão participar do PIC Jr. como ouvintes.

Os premiados que ingressarem na graduação poderão concorrer ainda a vagas do Picme (Programa de Iniciação Científica e Mestrado), com bolsa de R$ 400 de Iniciação Científica do CNPq.

Segundo o Impa, além de contribuir para estimular o estudo da matemática no país, a competição tem como objetivo identificar jovens talentos e promover a inclusão social por meio da difusão do conhecimento.

A Obmep foi criada pelo Impa em 2005 e conta com recursos do Ministério da Educação e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.