Educação Jovem com doença renal crônica é aprovada em Medicina

Jovem com doença renal crônica é aprovada em Medicina

Amanda Vitória, de 21 anos, estudava para o vestibular durante as sessões de hemodiálise. Ela é a primeira da sua família a chegar a universidade

Amanda Vitória é a primeira da família a entrar em uma universidade

Amanda Vitória é a primeira da família a entrar em uma universidade

Arquivo Pessoal

Amanda Vitória Gomes costumava estudar para o vestibular durante as longas sessões de hemodiálise. Portadora de uma doença renal crônica, a granulomatose de Wegener, a jovem de 21 anos se dedicou com afinco por três anos para conseguir uma vaga no curso de Medicina.

Nesta semana, a alegria ficou completa ao ver o seu nome na lista de aprovados da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). "Eu decidi que seria médica quando comecei o tratamento de saúde e, sem dúvida, ver meu nome ali foi a maior alegria da minha vida", conta.

Amanda é moradora de Lomba do Pinheiro, um bairro humilde de Porto Alegre, é a primeira da família a chegar a uma universidade. O pai é entregador de jornal e ela é quarta filha de cinco irmãos. "Meus irmãos não puderam estudar porque tinha de trabalhar, espero que possa ser uma inspiração pra eles, minha irmã já está fazendo cursinho."

Amanda agradece a equipe médica que a acompanha

Amanda agradece a equipe médica que a acompanha

Arquivo Pessoal

 A jovem conseguiu uma bolsa integral no primeiro ano de cursinho e nos dois anos seguintes teve desconto nas mensalidades. Além da questão financeira, a luta era ter saúde para estudar. Durante as sessões de hemodiálise, Amanda levava livros e apostilas para revisar a matéria e fazer exercícios. 

Às vezes se sentia mal durante as aulas ou no tratamento, dava um tempinho, respirava fundo e seguia em frente. Hoje, com seu jeito de menina, faz questão de agradecer ao pai pelo esforço e a toda equipe médica que a acompanha e com eles compartilha sua conquista. 

Últimas