Eleições 2020 Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro é acusado de estupro

Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro é acusado de estupro

Denúncia feita por servidora, que é candidata à vereadora, diz que violência ocorreu entre 2017 e 2019. Político diz que relação foi consensual

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), que disputa a reeleição nas eleições municipais deste ano, foi acusado de estupro por uma servidora pública e ex-funcionária da prefeitura da cidade. O políticou negou e disse que se envolveu em uma relação consensual.

A denunciante, Rosely Rosana Ferrari Dallabona, de 46 anos, é ex-funcionária comissionada da Secretaria Municipal de Turismo e candidata à vereadora na capital catarinense pelo mesmo partido do prefeito. Ela registrou um boletim de ocorrência no dia 9 de outubro na 6ª Delegacia de Polícia da Capital.

Gean Loureiro (DEM) foi acusado por ex-funcionária da prefeitura e negou estupro

Gean Loureiro (DEM) foi acusado por ex-funcionária da prefeitura e negou estupro

Reprodução/Facebook

Leia também: TSE aprova pedidos de força federal nas eleições para quatro estados

De acordo com o B.O., os abusos teriam começado no seu local de trabalho, em 2017, quando o prefeito teria tentado agarrá-la pelo braço e tocado as suas partes íntimas. No ano seguinte, teria acontecido conjunção carnal e, no dia 10 de outubro de 2019, a mulher disse que conseguiu gravar outro abuso do suspeito.

Gean Loureiro publicou um vídeo nas redes sociais em que reconhece ter mantido relações com a mulher, mas os encontros foram consensuais. Ele também revelou que pediu desculpas à família pela relação extra-conjugal e classificou a denúncia como uma "covarde armação eleitoral". 

O prefeito publicou nas redes sociais um vídeo em que confirma que teve um caso extraconjugal. "Sei o que fiz e me arrependo. Mas também sei o que não fiz. Por isso, eu não vou me calar diante dessa tentativa desesperada, essa armação eleitoral que estou sendo vítima".

Loureiro se defende da acusação, alegando ser vítima de "uma avalanche de mentiras', nega ter cometido qualquer ato de violência e relaciona a divulgação do caso ao período eleitoral. "Agora, a poucos dias da eleição, estão tentando transformar em crime um ato consensual entre dois adultos que aconteceu lá em 2019. Isso mostra que não há limite pra baixeza e o jogo sujo da política", declara o prefeito.

Últimas