Notícias Imunidade de vacinados é mais baixa contra Ômicron, diz OMS

Imunidade de vacinados é mais baixa contra Ômicron, diz OMS

Dados preliminares revelam que cepa da África do Sul pode burlar o sistema imunológico de uma pessoa

Agência EFE
Casos dobram em um dia e meio a três dias

Casos dobram em um dia e meio a três dias

Agência Brasil

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou neste sábado (18) que dados preliminares revelam que há uma redução na imunidade diante da variante Ômicron do novo coronavírus entre aqueles que contam com esquema completo de vacinação (de uma ou duas doses) ou que contraíram anteriormente a Covid-19.

Embora não tenha sido feita uma afirmação categórica, isso mostra que a cepa identificada por especialistas na África do Sul pode burlar o sistema imunológico de uma pessoa.

"Até o momento, há pouca evidência disponível, e que não está revisada pelos pares, sobre a eficácia ou efetividade da vacina contra a Ômicron", afirmou a OMS, em uma atualização das informações reunidas sobre o tema.

De acordo com a agência, a evidência mais sólida é sobre a vantagem que a variante tem em se propagar, na comparação com a Delta, pois nos países em que foi detectada transmissão local é observado que os casos dobram em um dia e meio a três dias.

Os dados da OMS mostram que a Ômicron está se propagando rapidamente em países com níveis altos de população vacinada, mas que não está claro se isso acontece por fuga à imunidade, a uma transmissão mais rápida ou pela combinação dos dois fatores.

"Considerando os dados atuais, é possível que a Ômicron supere a Delta nos cenários de transmissão comunitária", afirmou a agência. Até o momento, a variante foi detectada em 89 países e terá a ameaça claramente identificada quando especialistas responderem a perguntas sobre o nível de transmissibilidade e sobre resposta das vacinas atuais e da infecção prévia na proteção de um novo contágio, na transmissão, doença grave e morte.

Últimas