Antes das eleições, argentinos buscam Macri e Kirchner na internet

Atual e ex-presidenta lideram a lista de termos mais buscados no período pré-eleitoral na Argentina. Nas pesquisas reais, Alberto Fernández segue na frente

Macri e Kirchner lideram pesquisas de internautas às vésperas das eleições

Macri e Kirchner lideram pesquisas de internautas às vésperas das eleições

Agustin Marcarian/ Reuters / Frente De Todos/ EFE

Às vésperas das eleições presidenciais na Argentina, a população se divide entre pesquisar sobre Mauricio Macri e a peronista Cristina Kirchner. Enquanto o primeiro é o atual presidente e busca uma difícil reeleição, a segunda é a ex-presidente da Argentina, acusada de corrupção e candidata à vice-presidência.

Por meses, a disputa entre o lugar de mais pesquisado no Google ficou entre Macri e Kirchner. Entre dezembro de 2018 a março de 2019, o presidente liderava o interesse popular, até que na segunda semana de março, Kirchner o desbancou por uma semana.

Em maio, Alberto Fernández liderou as pesquisas depois de ser anunciado o candidato à presidência pela chapa peronista. O ponto mais fora da curva foi a liderança do candidato à vice-presidência pelo partido de Macri, o líder peronista Miguel Ángel Pichetto, em junho. Desde então, ele continuou no quarto lugar nas pesquisas.

Nos meses seguintes, a disputa continuava entre Macri e os peronistas. Mesmo na liderança pelo interesse popular, com 57%, Macri conquistou o lugar de mais buscado por causa dos protestos contra suas medidas econômicas e pelas decisões impopulares na Argentina, que enfrenta a pior crise econômica dos últimos anos. Fernández conquistou a vice-liderança, com 23% das pesquisas.

Entre os vice-presidentes, Kirchner era a preferida dos internautas, com 71% das pesquisas desde janeiro buscando seu nome. Pichetto ficou bem atrás, com 21%. Três candidatos, Romina del Plá, Cynthia Hotton e Luis Rosales terminaram com 0%.

Preferência nacional

Macri lidera as pesquisas em todas as províncias argentinas. Em todas, ele ganha por mais que o dobro do vice, Fernández.

Importante ressaltar que as pesquisas não fazem diferenciação se o assunto buscado é favorável ou não ao candidato. Os números e dados apresentados na matéria dizem respeito a quantidade total de buscas pelo nome de cada candidato, independentemente da posição política do internauta.

As pesquisas relacionadas

Além do interesse dos argentinos pelos candidatos, as principais perguntas feitas são sobre o aumento do preço do dólar depois das eleições, quando elas ocorrem, até que horas eles podem comparecer e o que acontece caso o eleitor deixe de votar no domingo.