Após dez horas, eleição presidencial no Sri Lanka chega ao fim

Processo eleitoral ocorre em meio a tensões sociais após os ataques islâmicos contra cristãos ocorridos no mês de abril

Apuração das urnas teve início no Sri Lanka nesta sábado (16)

Apuração das urnas teve início no Sri Lanka nesta sábado (16)

EFE/EPA/STR

Os colégios eleitorais do Sri Lanka fecharam às 17h (horário local, 8h de Brasília) deste sábado (16), após dez horas de votação para eleger o novo presidente, um processo que ocorre em meio a tensões sociais após os ataques islâmicos ocorridos no mês de abril.

Segundo a Comissão Eleitoral do Sri Lanka, a apuração já teve início, mas não especificou quando os primeiros resultados serão divulgados.

O Sri Lanka escolhe seu novo presidente que enfrentará um clima de tensão desencadeado pelos ataques islâmicos ocorridos no dia 21 de abril, onde 269 pessoas - de maioria cristã - morreram, e que mostrou a frágil convivência entre as várias comunidades étnicas e religiosas.

De acordo com o censo eleitoral, 15.992.096 eleitores foram convocados para eleger o sucessor do atual presidente, Maithripala Sirisena. Segundo as pesquisas, os favoritos são o antigo secretário de Defesa, Gotabaya Rajapaksa, do partido Sri Lanka Podujana Peramuna (SLPP) e Sajith Premadasa, do Partido Nacional Nacional (UNP) e da aliança da Nova Frente Democrática (NDF).

A ONG Centro de Monitoramento da Violência Eleitoral (CMEV) registrou até às 13h (hora local) 139 queixas relacionadas a incidentes ou ataques a eleitores, incluindo o ataque armado a um comboio de ônibus com eleitores, segundo um relatório preliminar.

Os ônibus foram atacados com pedras e tiros por um grupo não identificado no momento em que estavam se preparando para levar os eleitores de vilas remotas, no noroeste do país, para os centros de votação mais próximos. No entanto, não houve relatos de feridos neste incidente.