China

Internacional Argentina e China assinam contrato para construir usina nuclear

Argentina e China assinam contrato para construir usina nuclear

Instalação de R$ 42 bilhões ficará localizada em Lima, cidade a 100 km de Buenos Aires, capital do país latino-americano

AFP
Argentina já possui três usinas nucleares, que produzem 7,5% da energia elétrica do país

Argentina já possui três usinas nucleares, que produzem 7,5% da energia elétrica do país

Reprodução Site/Nucleoeléctrica Argentina S.A.

Argentina e China assinaram nesta terça-feira (1º) um contrato para a construção de uma quarta usina nuclear no país sul-americano, por um investimento de 8 bilhões de dólares (R$ 42 bilhões), informou a agência pública de notícias Télam.

O anúncio da construção da usina de Atucha III, que ficará localizada em Lima, 100 km ao norte de Buenos Aires, foi feito nas vésperas da viagem oficial do presidente Alberto Fernández a Pequim, que ocorrerá de 4 a 6 de fevereiro.

Segundo o acordo firmado entre a estatal Nucleoeléctrica Argentina e a Corporação Nuclear Nacional da China, a construção da usina tipo HPR-100, com 1.200 megawatts de energia elétrica (MWe) de potência bruta e vida útil de 60 anos, criará 7.000 empregos e 40% de fornecedores argentinos.

A China, segundo parceiro comercial da Argentina, ficará responsável pela engenharia, construção, aquisição, início e entrega do Atucha III, cujo reator utilizará urânio enriquecido como combustível e água clara como refrigerante e moderador.

A Argentina, pioneira regional nesse campo há meio século, possui outras três usinas nucleares (Atucha I e II, também em Lima, e Embalse, em Córdoba, no centro do país), que fornecem até 7,5% da energia elétrica do país, segundo estimativas privadas.

O presidente da Nucleoeléctrica Argentina, José Luis Antúnez, disse que a nova usina ajudará o país a “suprir a demanda de eletricidade com energia básica, limpa, segura e sustentável, e combater os efeitos das mudanças climáticas que afetam o planeta”.

Últimas