Internacional Ataque de pastores muçulmanos deixa pelo menos 105 mortos na Nigéria

Ataque de pastores muçulmanos deixa pelo menos 105 mortos na Nigéria

Camponeses da etnia fulani atacaram uma aldeia do estado de Zamfara, no norte do país

Ataque de pastores muçulmanos deixa pelo menos 105 mortos na Nigéria

Casas queimadas são vistas no vilarejo de Buni Gari, norte da Nigéria. A luta pela apropriação de recursos naturais entre camponeses muçulmanos e cristãos é uma das principais causas de violência no país

Casas queimadas são vistas no vilarejo de Buni Gari, norte da Nigéria. A luta pela apropriação de recursos naturais entre camponeses muçulmanos e cristãos é uma das principais causas de violência no país

REUTERS/Joe Hembe

Pelo menos 105 pessoas morreram em uma aldeia do estado de Zamfara (norte da Nigéria) após um ataque cometido por pastores muçulmanos armados da etnia fulani, informou nesta segunda-feira a imprensa local.

O ataque ocorreu no sábado em Yar Galadima e, embora as primeiras informações tenham indicado 30 vítimas fatais, testemunhas citadas pelo jornal local "The Punch" afirmaram que o número aumentou para até pelo menos 105.

Os pastores armados, que vestiam uniforme militar e chegaram na aldeia em mais de 100 motocicletas, invadiram uma reunião especial de segurança dos vigilantes da comunidade.

"Os homens armados renderam os vigilantes. Usaram facas para massacrar alguns, enquanto atiravam contra outros", disse uma testemunha.

Segundo esta testemunha, mais de 100 corpos tinham sido recuperados, mas poderia haver mais na mata próximas à aldeia.

O ataque durou cerca de três horas e, segundo as testemunhas, não houve nenhuma resposta por parte da polícia nem de outros corpos das forças de segurança.

Alguns dos mortos no ataque foram enterrados neste domingo em cerimônia presenciada pelo governador do Estado, Abdullaziz Yari.

Na sexta-feira passada, as autoridades do estado nigeriano de Nasarawa, no centro do país, acusaram o exército de matar 23 pessoas da etnia fulani, que assistiam a um funeral uma área do governo municipal da cidade de Keana.

A luta pela apropriação dos recursos naturais entre pastores muçulmanos e camponeses cristãos é uma das principais causas da violência na Nigéria, onde estas comunidades competem pelo pasto e água.

Com 170 milhões de moradores integrados em mais de 200 grupos tribais, a Nigéria, o país mais populoso da África, sofre múltiplas tensões por suas profundas diferenças políticas, socioeconômicas, religiosas e territoriais. 

Genocídio que deixou 800 mil mortos em Ruanda completa 20 anos

Entenda o genocídio de Ruanda de 1994: 800 mil mortes em cem dias

Ruanda exclui embaixador da França de cerimônias de aniversário do genocídio

 
    Access log