Rússia x Ucrânia

Internacional Ataques na Ucrânia são 'sinais de fraqueza' da Rússia, diz Otan

Ataques na Ucrânia são 'sinais de fraqueza' da Rússia, diz Otan

Secretário-geral da aliança militar afirmou que russos buscam mascarar perdas das últimas semanas no campo de batalha

AFP

Resumindo a Notícia

  • O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que ataques russos são 'sinais de fraqueza'
  • A Rússia bombardeou cidades da Ucrânia após uma ponte ter sido destruída na região da Crimeia
  • A Otan executará testes de dissuasão nuclear nos próximos dias
Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante coletiva de imprensa

Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante coletiva de imprensa

Valeria Mongelli/AFP - 16.6.2022

O secretário-geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Jens Stoltenberg, disse nesta terça-feira (11) que os ataques de mísseis feitos pela Rússia em várias cidades da Ucrânia representam um "sinal de fraqueza", já que as tropas russas estão sendo derrotadas.

"Acredito que o que vimos ontem [segunda-feira, 10] é, na verdade, um sinal de fraqueza, porque a realidade é que não conseguem avançar, a Rússia está realmente perdendo o campo de batalha", disse o norueguês.

Na visão do secretário-geral, as tropas russas "estão cedendo território, pois não têm a capacidade de deter o avanço das forças ucranianas".

"O jeito que podem responder é por meio de ataques desordenados contra cidades ucranianas, atingindo civis e infraestrutura crítica", acrescentou Stoltenberg.

O chefe da Otan acrescenta que a aliança militar dobrou a presença naval no mar Báltico e no mar do Norte, em que foram relatados vazamentos de gás, nos gasodutos Nord Stream 1 e 2, entre a Rússia e a Alemanha.

Os governos da Suécia e da Noruega investigam o que aconteceu nesses gasodutos. O membro da Otan disse nesta terça-feira que foi "sabotagem", mas a aliança não atribuiu responsabilidades formais pelo ocorrido.

A Otan realizará na quarta-feira (12) uma reunião de nível ministerial para revisar o estágio de preparação nuclear da organização, depois que a Rússia ameaçou defender o próprio território com armas atômicas.

"Não vimos nenhuma mudança na posição da Rússia, mas continuamos em alerta", expressou Stoltenberg.

Na próxima semana, a Otan realizará o exercício anual de dissuasão nuclear, chamado Steadfast Noon. Uma operação que o representante chamou de "treinamento de rotina".

Na última segunda, a Rússia lançou — de bases terrestres e marítimas — mísseis contra vários alvos da Ucrânia, como instalações militares e de infraestrutura.

A porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, declarou que esses ataques deixaram pelo menos 12 civis mortos e mais de uma centena feridos.

Esses ataques intensos da Rússia ocorreram após uma explosão ter destruído parcialmente uma ponte construída para conectar o país à península da Crimeia, um símbolo da anexação do território pelos russos em 2014.

O Exército ucraniano e os serviços especiais de Kiev não confirmaram nem negaram envolvimento na explosão.

Últimas