Internacional Atirador da Flórida é acusado de assassinato premeditado

Atirador da Flórida é acusado de assassinato premeditado

Pelo menos 17 vítimas foram mortas em ataque a tiros contra escola pública, enquanto outras 15 ficaram feridas. Atirador é ex-aluno da instituição

Atirador da Flórida é indiciado por assassinato premeditado

Nikolas Cruz foi indiciado por assassinato premeditado

Nikolas Cruz foi indiciado por assassinato premeditado

Broward County Sheriff/Handout via REUTERS/15.02.2018

O jovem Nikolas Cruz, que abriu fogo contra alunos de uma escola pública de Parkland, no estado da Flórida, nos EUA, foi acusado formalmente nesta quinta-feira (15) de 17 casos de assassinato premeditado, após horas sendo interrogado pelas forças de segurança.

Na quarta-feira (14), pelo menos 17 vítimas foram mortas no ataque a tiros, enquanto outras 15 ficaram feridas, segundo o último balanço da polícia do condado de Broward. O jovem atirador, de 19 anos, era aluno da instituição de ensino e havia sido expulso por indisciplina em 2017. De perfil agressivo, ele iniciou uma campanha de terror, jurando vingança, segundo relatos de alunos.

Cruz se rendeu à polícia sem resistência e foi preso com munição e um rifle AR-15

Cruz se rendeu à polícia sem resistência e foi preso com munição e um rifle AR-15

WSVN.com via REUTERS/15.02.2018

Ele foi detido pelos agentes a 1,5 km de distância da escola enquanto fugia em meio à multidão de estudantes. Cruz se rendeu à polícia sem resistência e foi preso com uma grande quantidade de munição e um rifle AR-15. A polícia do condado de Broward registrou em sua ficha que ele foi detido com 1,7 m de altura e aproximadamente 60 kg, segundo o jornal americano USA Today. 

Histórico

De acordo com relatos colhidos com funcionários da Stoneman Douglas High School pela agência Reuters, Cruz havia sido afastado por conta de um comportamento "problemático" e havia sido proibido inclusive de entrar na entidade portando uma mochila

Antes do ataque desta quarta-feira, o jovem teria acionado os alarmes de incêndio da instituição para que as pessoas saíssem das salas de aula antes de começar o tiroteio. A intenção seria fazer o maior número de vítimas possível, de acordo com informações da rede de notícias CNN.

Os nomes das vítimas ainda não foram informados, mas testemunhas relatam que há uma professora que se colocou à frente dos estudantes, para protegê-los, e acabou assassinada, assim como um dos treinadores da equipe de futebol americano.

Em imagens publicadas nas redes sociais, Cruz aparece com armas na mão, encenando tiroteios, exaltando ódio em palavras e ações. O delegado responsável pelo condado de Broward, Scott Israel, afirmou em coletiva de imprensa que a polícia está examinando as postagens "muito, muito perturbadoras".

Este foi o 18º incidente com tiros em uma escola dos EUA até agora este ano, de acordo com o grupo de controle de armas Everytown for Gun Safety. Esse número inclui suicídios e incidentes quando ninguém foi ferido, bem como o incidente de janeiro, quando um jovem armado de 15 anos matou dois estudantes em uma escola secundária de Benton, Kentucky.