Internacional Austrália proíbe TikTok em dispositivos do governo

Austrália proíbe TikTok em dispositivos do governo

Decisão atente às agências de inteligência do país e vai ao encontro do que EUA, Canadá e França já adotaram contra a rede social

AFP
Aplicativo, com mais de 1 bilhão de usuários, pode permitir coleta de dados pela China

Aplicativo, com mais de 1 bilhão de usuários, pode permitir coleta de dados pela China

PATRICK T. FALLON/AFP - 16.03.2023

A Austrália anunciou nesta terça-feira (4) que vai proibir o aplicativo TikTok, que pertence ao grupo chinês ByteDance, nos dispositivos do governo por questões de segurança, no caso mais recente de um país a adotar a medida.

O procurador-geral Mark Dreyfus disse que a decisão segue o conselho das agências de inteligência do país e será implementado "assim que possível".

Estados Unidos, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido, França, Holanda e a Comissão Europeia já adotaram decisões similares.

Dreyfus explicou que o governo deve aprovar algumas exceções "caso a caso", mas com a adoção de medidas para atenuar os riscos de segurança.

Especialistas em segurança cibernética alertam que o aplicativo, com mais de 1 bilhão de usuários, pode ser utilizado para coletar dados que depois são compartilhados com as autoridades chinesas.

Pequim criticou a medida e afirmou que apresentou um protesto oficial às autoridades australianas.

"Pedimos à parte australiana que respeite sinceramente as normas da economia de mercado e os princípios da concorrência leal, além de proporcionar às empresas chinesas um ambiente comercial justo, transparente e não discriminatório", declarou à prensa Mao Ning, porta-voz do ministério das Relações Exteriores.

As pesquisas indicam que quase sete milhões de australianos utilizam o app, o que representa 25% da população.

O gabinete do procurador-geral australiano afirmou que o TikTok implica "riscos significativos de segurança e privacidade" devido à "coleta extensiva de dados dos usuários".

O TikTok afirma que os vetos são "baseados na xenofobia", mas reconheceu em dezembro do ano passado que havia coletado dados de usuários para espionar jornalistas.

O porta-voz da empresa na Austrália, Lee Hunter, disse que a empresa "nunca" forneceu dados ao governo da China.

"Ninguém trabalha mais duro do que nós para garantir que isto nunca seja uma possibilidade", afirmou ao Channel Seven.

No início do ano, o governo australiano também anunciou que não utilizaria mais centenas de câmeras de segurança fabricadas na China nos escritórios de políticos devido a preocupações de segurança.

Os temores são baseados em uma lei chinesa de 2017 que obriga as empresas locais a entregar às autoridades, após um pedido, dados pessoas relacionados a questões de segurança nacional.

Últimas