Estados Unidos

Internacional Autor do massacre de Buffalo é condenado à prisão perpétua

Autor do massacre de Buffalo é condenado à prisão perpétua

Payton Gendron pediu desculpas aos parentes das vítimas mortas no ataque, que estavam presentes na leitura da sentença

Agência EFE
Resumindo a Notícia
  • Autor do massacre de Buffalo foi condenado à prisão perpétua por um tribunal de Nova York.

  • Gendron pediu desculpas aos parentes da vítimas, que participaram da leitura da sentença.

  • Jovem foi condenado pela morte de dez pessoas em um crime motivado por ódio racial.

  • Gendron será julgado também em um tribunal federal, no qual recebeu 26 acusações.

Payton Gendron ainda responderá por crimes em tribunal federal.

Payton Gendron ainda responderá por crimes em tribunal federal.

Scott Olson/Getty Images North America/Getty Images via AFP - 19.5.2022

O americano Payton Gendron, autor do massacre em um supermercado de Buffalo, ao norte de Nova York, em maio de 2022, foi condenado nesta quarta-feira (15) à prisão perpétua sem direito a liberdade condicional, ao ser julgado em uma sala com parentes das dez vítimas aos quais pediu perdão antes da sentença.

Gendron, que reconheceu ter atirado em nas vítimas "porque eram negras", foi condenado pela juíza Susan Eagan a passar o resto da vida na prisão pela acusação de "terrorismo doméstico" e dez acusações de homicídio em primeiro grau.

"Você nunca mais verá a luz do dia como um homem livre", disse a juíza ao proferir a sentença de prisão perpétua.

Inicialmente, Gendron havia recebido 25 acusações, sendo dez por homicídio, dez por homicídio com crime de ódio e terrorismo doméstico, e três de tentativa de homicídio como crime de ódio e outra por posse de armas. O autor do massacre tinha se declarado inocente, mas em novembro do ano passado se disse culpado.

Em 14 de maio de 2022, o atirador viajou várias horas para chegar ao supermercado Tops em Buffalo e, quando saiu do veículo, estava fortemente armado com equipamento tático. Gendron também usava um capacete militar e uma câmera que transmitia ao vivo o que fazia na plataforma Twitch, que pertence à Amazon.

No estacionamento do shopping, atirou em quatro pessoas, três das quais morreram, e depois entrou no supermercado, onde continuou atirando, até que finalmente matou dez pessoas, a maioria negros, e feriu outras três.

Na esfera federal, Gendron enfrenta 26 acusações por crime de ódio que resultou em morte e crime de ódio que resultou em lesão corporal (no caso dos feridos) e também pelo uso da arma, das quais se declarou inocente.

De acordo com o que disse hoje o procurador distrital do condado de Erie, onde decorreu o processo judicial, John Flynn, o agora condenado será entregue na quinta-feira (16) às autoridades federais que iniciarão um novo processo e depois será decidido se será levado a uma prisão do estado de Nova York ou a uma prisão federal para cumprir a condenação.

A sentença foi proferida depois de Gendron pedir desculpas por suas ações.

"Sinto muito", afirmou o jovem, acrescentando que atirou e matou pessoas “porque eram negras", em uma audiência que teve que ser interrompida logo após o início, quando um homem se lançou sobre o réu.

"Você não sabe o que estamos passando", gritou o homem, que foi retirado por funcionários do tribunal. Em seguida, o juiz ordenou que o acusado também fosse retirado da sala de audiências enquanto a ordem era restabelecida.

"O mundo diz que você tem que perdoar para seguir em frente. Mas eu estou diante de vocês hoje para dizer que isso nunca vai acontecer", declarou Zeneta Everhart, cujo filho Zaire está entre as vítimas.

"Não quero que ninguém se inspire em mim e no que fiz", disse Gendron ao final da fala.

Um dos advogados do condenado, Brian Parker, falou depois de Gendron, reconhecendo que “o ódio racista que motivou esse crime foi disseminado por meio de plataformas online e a violência possibilitada pelo fácil acesso a armas de assalto”.

Massacres nos EUA em 2022 reacendem discussão sobre armas no país

Últimas