Estados Unidos

Internacional Biden e Trump convocam eleitores para votar na véspera das eleições

Biden e Trump convocam eleitores para votar na véspera das eleições

Americanos vão às urnas para escolher os próximos membros do Congresso; pesquisas apontam que os republicanos serão a maioria na Câmara dos Deputados

AFP
Joe Biden e Donald Trump em comícios nos Estados Unidos

Joe Biden e Donald Trump em comícios nos Estados Unidos

Hannah Beier/Reuters - 05.11.2022/Mike Segar/Reuters - 05.11.2022

Joe Biden e Donald Trump iniciam um frenético último dia de campanha nesta segunda-feira (7), às vésperas das eleições de meio de mandato que marcarão o restante do governo de Biden como presidente dos Estados Unidos e podem abrir caminho para sua reeleição.

Os democratas estão jogando pela maioria no Congresso, em uma eleição que Biden descreveu como "definidora" para a democracia americana, embora questões atuais, como a inflação, tenham dominado a campanha.

De acordo com as pesquisas, os republicanos ganharão a maioria na Câmara dos Deputados na próxima terça-feira (8), e muitos democratas temem que o Senado também lhes escape. Uma derrota que, se ocorrer, deixará o Congresso nas mãos da oposição. Biden ainda tem dois anos de governo.

De acordo com as pesquisas, a maioria dos americanos está preocupada com a economia e acredita que o país está indo na direção errada. Os candidatos republicanos parecem ter chance de vencer em distritos que antes pareciam inacessíveis.

Com as 435 cadeiras da Câmara dos Deputados em jogo, além de um terço dos cem membros do Senado e de 36 governos e cargos municipais, os democratas se mostram bem diante do cenário adverso.

"O partido na Casa Branca geralmente perde nas eleições de meio de mandato, mas a realidade é que ainda temos um caminho muito sólido, não apenas para manter o Senado, mas para conquistar cadeiras", disse Cory Booker, de Nova York, no último domingo (6) à ABC News. 

Os candidatos democratas recorreram ao charme de suas estrelas, como os ex-presidentes Barack Obama e Bill Clinton.

Os republicanos, no entanto, se concentraram em Trump, que tem sugerido uma provável nova candidatura à Presidência em 2024.

Biden e Trump se enfrentarão na véspera da eleição: o presidente fará um comício perto da capital, em Maryland, enquanto Trump estará em Ohio.

Chamada de atenção

O cenário político tem se inclinado contra os democratas desde o verão, e, de acordo com as pesquisas, os republicanos conquistarão a maioria na Câmara dos Deputados.

No fim de semana, Glenn Youngkin, o governador republicano da Virgínia, previu que "este será um alerta para o presidente Biden".

O Senado é mais um sorteio, mas a esperança dos democratas de manter a Câmara Alta, que eles controlam graças ao voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris, está na balança.

Já as corridas para senadores na Pensilvânia, Nevada, Wisconsin, Geórgia, New Hampshire e Ohio são equilibradas.

Os democratas concentraram seus argumentos finais no direito de voto, na proteção do acesso ao aborto, no bem-estar e, no caso de Biden, na ameaça representada pelo crescente apoio dos republicanos de Trump às teorias da conspiração.

Os republicanos reagem dizendo que votar nos democratas significa inflação descontrolada e aumento da criminalidade, buscando fazer desta eleição um referendo sobre o presidente.

Com seu índice de aprovação em torno de 42%, Biden evitou amplamente os estados de campo de batalha. Mas, no sábado (6), ele se encontrou com Obama na Pensilvânia — parte de uma agitada agenda de paradas nos últimos dias que também o levou a Illinois, Flórida e Nova York.

O presidente repreendeu os apoiadores extremistas de Trump, o "presidente derrotado": "Seu direito de escolher está na cédula. Seu direito de votar está na cédula".

"Declínio e queda"


Em um comício no fim de semana, Trump — que continua a fazer falsas alegações de que a eleição de 2020 foi roubada — acusou os democratas, a quem chamou de "radicais e insanos", de causar "o declínio e a queda da América".

Biden tem conquistas para divulgar, como a redução dos preços dos medicamentos prescritos, o aumento da fabricação de microchips e os investimentos recordes em infraestrutura, embora o Partido Democrata tenha lutado para transformar essas vitórias legislativas em entusiasmo no coração da América.

Mas Amy Klobuchar, candidata presidencial nas primárias democratas de 2016, rejeitou no domingo que seu partido houvesse perdido o diálogo e previu que terá bons resultados nas eleições de terça-feira.

Na última pesquisa nacional da NBC News, 48% dos prováveis ​​eleitores disseram preferir um Congresso controlado pelos democratas, enquanto 47% gostariam de republicanos no comando.

Ainda assim, 80% dos eleitores de inclinação republicana dizem que com certeza irão às urnas ou já o fizeram, de acordo com uma nova pesquisa do Washington Post-ABC News, que os coloca seis pontos acima dos democratas.

A participação depende em parte do clima do dia da eleição, que parece ser mais quente do que a média na maior parte do país.

Cerca de 40 milhões de americanos votaram cedo na tarde de domingo, de acordo com o US Elections Project, superando por pouco o número de 2018.

Últimas