Internacional Cazaquistão: 6 partidos participarão das eleições parlamentares

Cazaquistão: 6 partidos participarão das eleições parlamentares

Além do Nur Otan (governista), o Partido Comunista e o Ak Zhol, de direita, tentarão conseguir cadeiras outras três formações de oposição

  • Internacional | Da EFE

Segundo o presidente, estão sendo tomadas medidas para "modernizar o sistema político"

Segundo o presidente, estão sendo tomadas medidas para "modernizar o sistema político"

Mukhtar Kholdorbekov/ Reuters - 10.6.2019

Seis partidos políticos participarão das eleições para o Mazhilis, a Câmara dos Deputados do Cazaquistão, que estão marcadas para o dia 10 de janeiro, segundo informou nesta quinta-feira (5) a Comissão Eleitoral (CEC) do país.

Além dos partidos que tradicionalmente vêm integrando a casa legislativa – o Nur Otan (governista), o Partido Comunista e o Ak Zhol, de direita –, tentarão conseguir cadeiras outras três formações de oposição.

São eles o Partido Popular-Democrático Patriótico Auil; Adal (antigo Birlik) e o Partido Social Democrata Pan-Nacional, que nas eleições realizadas quatro anos atrás não conseguiram alcançar 7% dos votos, marca mínima para obter representação na Câmara.

O presidente da CEC, Berik Imashev, informou que, a partir da próxima terça-feira (10), as legendas políticas poderão inscrever as listas de candidatos ao Mazhilis e aos conselhos locais.

A convocação das eleições parlamentares foi feita no fim de outubro, pelo presidente do Cazaquistão, Kassym-Yomart Tokayev, que destacou que todos os partidos teriam tempo suficiente para preparar a campanha.

O chefe de governo garantiu que a CEC e a Procuradoria Geral do país iriam supervisionar permanentemente o cumprimento o Estado de Direito, a transparência e a equidade do pleito.

Além disso, Tokayev explicou que estão sendo tomadas medidas para "modernizar o sistema político, desenvolver um sistema multipartidário e ampliar a participação civil na vida política e social" da antiga república soviética.

Segundo ele, a partir do ano que vem, o Cazaquistão, que ocupa o 139º lugar no Índice de Democracia elaborado pela revista The Economist, terá mais representantes da oposição, além de mais mulheres e jovens no Legislativo.

Últimas