Internacional Cazaquistão promete eliminar 'terroristas' após onda de protestos

Cazaquistão promete eliminar 'terroristas' após onda de protestos

Autoridades afirmam que tropas da aliança militar liderada pela Rússia estão protegendo instalações estratégicas do país

Reuters
Ao menos 164 pessoas morreram durante protestos

Ao menos 164 pessoas morreram durante protestos

Abduaziz Madyarov/AFP - 05.01.2022

As autoridades do Cazaquistão disseram, neste domingo (9), que a situação no país já está se estabilizando, após o período de maior agitação política em 30 anos de independência, e que tropas da aliança militar liderada pela Rússia estão protegendo instalações estratégicas da nação.

Oficiais de segurança afirmaram ao presidente Kassym-Jomart Tokayev que seguem as operações de "limpeza" no país, uma ex-república soviética da Ásia Central que faz fronteira com a Rússia e a China e tem na produção de petróleo seu carro-chefe.

Milhares de pessoas foram detidas e prédios públicos foram incendiados durante protestos em massa contra o governo na semana passada. Tokayev emitiu ordens de atirar para matar e assim acabar com os distúrbios, causados por "bandidos" e "terroristas", segundo ele.

O canal de TV estatal Khabar 24 disse que 164 pessoas foram mortas, informaram as agências de notícias Tass e Sputnik. Mas o Ministério da Saúde não confirmou as informações, alegando ser assunto de polícia. Já as forças policiais disseram à Reuters que o ministério deve ser consultado.

A convite de Tokayev, a CSTO (Organização do Tratado de Segurança Coletiva), liderada pela Rússia, enviou tropas para restaurar a ordem, uma intervenção que ocorre em meio a um momento de alta tensão nas relações entre Rússia e EUA, às vésperas das negociações entre esses dois países a respeito da crise na Ucrânia.

"Uma série de instalações estratégicas agora estão sob proteção do contingente de manutenção da paz dos Estados-membros da CSTO", disse o gabinete presidencial, detalhando o briefing de segurança emitido por Tokayev.

Últimas