Internacional Chapéu usado por Napoleão Bonaparte é leiloado por R$ 10 milhões

Chapéu usado por Napoleão Bonaparte é leiloado por R$ 10 milhões

Adereço é um dos 120 que o líder francês usou durante período de 15 anos; itens frequentemente aparecem em pregões

Agência Estado
Resumindo a Notícia
  • Bicorne preto atinge recorde de 1,93 milhão de euros; comprador não revelado.

  • Lances começam em 500 mil euros e ultrapassam avaliação; leilão destaca papel icônico do chapéu.

  • Outros pertences de Napoleão, como um chapéu desbotado, já alcançaram valores significativos.

  • Produzido por Baillon e usado por Napoleão, o chapéu tem roseta adicionada pelo imperador em 1815.

Napoleão Bonaparte é uma das figuras mais controversas da história ocidental

Napoleão Bonaparte é uma das figuras mais controversas da história ocidental

November 6, 2023. REUTERS/Claudia Greco

Um chapéu bicorne (de dois bicos) de feltro preto que pertenceu a Napoleão Bonaparte foi vendido em um leilão da França por 1,93 milhão de euros (cerca de R$ 10,3 milhões), no último fim de semana. O valor pago foi recorde, superando uma venda de  1,88 milhão de euros de (aproximadamente R$ 9,2 milhões), em 2014.

Os lances pelo objeto começaram com em 500 mil euros (R$ 2,6 milhões) e superaram com folga a avaliação inicial de entre 600 mil euros (R$ 3,2 milhões) e 800 mil euros (R$ 4,2 milhões). A identidade e a nacionalidade do comprador não foram divulgadas.

Segundo especialistas, Napoleão usou por volta de 120 chapéus em um período de 15 anos, o que explica o motivo de as peças aparecerem com certa frequência em leilões. "O chapéu por si só representa a imagem do imperador", disse à agência de notícias France-Presse em outubro passado o diretor do leilão, Jean-Pierre Osenat.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Em 2018, um chapéu preto desbotado e rasgado atribuído a Napoleão, que teria sido encontrado em um campo de batalha em Waterloo, foi vendido por mais de US$ 400 mil (R$ 1,9 milhão). O exemplar de 2014, que detinha o recorde, foi vendido a Kim Hong-kuk, fundador sul-coreano e presidente do conglomerado alimentar Harim, e custou cerca de cinco vezes o preço pedido no lance inicial. Esse chapéu veio de uma coleção que pertencia à família real de Mônaco.

Outros leilões de itens de Napoleão nos últimos anos incluíram retratos, cartas, seus frascos de colônia, uma faca usada em uma tentativa frustrada de assassinato, um berço dourado, um rifle de caça enfeitado com joias e até mesmo suas meias. Um anel de noivado pertencente à mulher do imperador, Josephine, foi vendido por US$ 1,2 milhão (R$ 5,88 milhões) em 2013.

Chapeleiro oficial

O bicorne leiloado no fim de semana passado foi produzido por Pierre-Quentin-Joseph Baillon, assessor pessoal do imperador desde 1806. De acordo com especialistas, Napoleão adicionou ao acessório uma roseta com as cores da bandeira da França quando estava no Mediterrâneo, ao retornar da Ilha de Elba, em 1.º de março de 1815.

O chapéu permaneceu na família de Napoleão até o fim do século 19, antes de ser revendido a diversos colecionadores. Ele fazia parte de uma coleção do empresário francês Jean Louis Noisiez, que morreu no ano passado.

Fascínio

Napoleão, um forasteiro da Córsega que governou a França em 1799, há muito fascina colecionadores de todo o mundo. O primeiro leilão dos seus pertences aconteceu nos anos seguintes à sua morte, em 1821, na ilha de Santa Helena, onde vivia no exílio. No pregão do fim de semana passado, uma espada de Josephine e uma pistola não foram vendidos e serão leiloados novamente. (Com agências internacionais.)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

França tem terceira noite de protestos após morte de jovem de 17 anos em abordagem policial

Últimas