Internacional China é acusada de implantar delegacias policiais em países estrangeiros

China é acusada de implantar delegacias policiais em países estrangeiros

Denúncia, considerada grave, inclui espionagem e perseguição de dissidentes, contrariando acordos e leis do direito internacional

  • Internacional | Marco Antonio Araujo, do R7

A ditadura de Xi Jinping sempre sofreu denúncias de praticar espionagem sistemática

A ditadura de Xi Jinping sempre sofreu denúncias de praticar espionagem sistemática

STR / AFP

A China, além de ser considerada um estado policial, tem a fama de praticar espionagem de forma sistemática. Com muita razão. A última de que se tem notícia é uma acusação grave, de repercussão internacional: a ditadura de Xi Jiping estaria instalando delegacias (ilegais) em dezenas de países, inclusive no Brasil.

A denúncia está em um relatório da organização de direitos civis Safeguard Defenders, sediada na Espanha. A investigação conclui que a polícia chinesa abriu os chamados “centros de serviço no exterior” em 25 cidades de 21 países. Rio de Janeiro e São Paulo estão nessa lista.

Os postos, em suas atividades policiais, são usados para monitorar, prender e deportar chineses expatriados e dissidentes do regime. A ONG estima que 230 mil chineses tenham sido “persuadidos a retornar” para o país de origem. Esses cidadãos teriam sido espionados e pressionados por agentes a serviço dessas delegacias camufladas em falsas “estações de serviços” (como também são chamadas por embaixadas chinesas).

Entre os países que manifestaram preocupação e indignação com a denúncia estão Canadá, Holanda, Portugal, Reino Unido, Irlanda e Espanha.

Por enquanto, nem a embaixada da China no Brasil nem o Itamaraty se posicionaram a respeito do assunto. Caso se comprove essa ação policial em territórios estrangeiros, o governo chinês estaria infligindo leis do direito internacional. Para a surpresa de ninguém.

Últimas