Rússia x Ucrânia

Internacional Conselho de Segurança da ONU se reúne nesta sexta (11) para debater armas químicas na Ucrânia

Conselho de Segurança da ONU se reúne nesta sexta (11) para debater armas químicas na Ucrânia

Encontro foi convocado pela Rússia, que alega uma suposta fabricação desse tipo de armamento por parte dos ucranianos

AFP
Conselho de Segurança da ONU reunido em Nova York, nos Estados Unidos

Conselho de Segurança da ONU reunido em Nova York, nos Estados Unidos

Angela Weiss/AFP - 28.2.2022

O Conselho de Segurança da ONU realizará, a pedido de Moscou, uma reunião de emergência nesta sexta-feira (11) para debater a suposta produção de armas químicas na Ucrânia.

A Rússia acusa ucranianos e norte-americanos de administrar laboratórios para produzir armas químicas na Ucrânia, o que foi negado por ambos os governos.

Moscou já havia acusado os Estados Unidos em 2018 de realizar secretamente experimentos químicos em um laboratório na Geórgia, outra ex-república soviética que, como a Ucrânia, quer ingressar na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e na União Europeia.

Desde quarta-feira (9), os Estados Unidos e o Reino Unido alegam que a Rússia pode ter usado armas químicas na Ucrânia. "A Rússia tem repetidamente espalhado desinformação sobre o uso repetido de armas químicas pela Síria", disse o vice-embaixador dos EUA, Richard Mills.

"A recente torrente de mentiras da Rússia, na tentativa de justificar a guerra premeditada e injustificada contra a Ucrânia, deve deixar claro, de uma vez por todas, que não se pode confiar na Rússia para falar sobre o uso de armas químicas na Síria", afirmou.

Durante os últimos dez dias, "a Rússia continuou sua guerra de agressão contra a Ucrânia, sitiando cidades, matando civis indiscriminadamente e forçando milhões de pessoas a fugir por segurança", acusou seu colega britânico, James Kariuki.

"Os paralelos com a ação russa na Síria são claros" e "a comparação se estende também às armas químicas, pois vemos o conhecido espectro da desinformação russa", acrescentou.

Arte/R7

Últimas