Internacional Conselho do Google é acusado de encobrir denúncias de assédio

Conselho do Google é acusado de encobrir denúncias de assédio

Texto diz que grupo permitiu que executivos 'responsáveis de gerar milhões de dólares em receita' se envolvessem em condutas sexuais inapropriadas

Google e assédio sexual

Grupo matriz do Google, Alphabet, teria encoberto denúncias de assédio

Grupo matriz do Google, Alphabet, teria encoberto denúncias de assédio

REUTERS/Jeenah Moon/17.12.2018

Um processo apresentado na quinta-feira (10) em um tribunal de San Francisco, na Califórnia (Estados Unidos) acusa o conselho de administração do grupo matriz do Google, Alphabet, de ter encoberto denúncias por assédio sexual contra dois dos seus altos executivos em 2014 e 2016.

Segundo a defesa, a ação é fruto do resultado de uma "extensa investigação", onde mostra que o conselho da Alphabet descumpriu seu dever fiduciário, cometeu abuso de controle, enriqueceu ilegalmente e desperdiçou ativos corporativos.

"A conduta ilegal dos diretores permitiu que os comportamentos sexuais impróprios proliferassem e continuassem. Os membros do conselho da Alphabet sabiam e facilitavam diretamente o assédio e a discriminação sexual", indica o processo.

De acordo com o texto, o Google permitiu que executivos homens, de "alto nível, responsáveis de gerar milhões de dólares em receita" que se envolvessem em condutas sexuais inapropriadas.

O processo acontece meses depois que o jornal "New York Times" ter revelado que o Google protegeu o criador do Android, Andy Rubin, após uma denúncia de conduta sexual inadequada, considerada "crível" em uma investigação interna, e compensou sua saída da empresa, em 2014, com US$ 90 milhões.

A partir de documentos corporativos e judiciais, e entrevistas com mais de 30 executivos e funcionários atuais ou anteriores da empresa, o jornal publicou que Rubin foi um dos "três executivos que Google protegeu na última década depois que fossem acusados de conduta sexual inadequada".

Ainda de acordo com o que foi revelado pelo jornal nova-iorquino, em 2014 o atual executivo-chefe da Alphabet - matriz do Google -, Larry Page, pediu a renúncia de Rubin por considerar "críveis" as informações de que teria forçado um funcionário praticar sexo oral com ele em um hotel.

Após o alvoroço causado pela publicação do "NYT", o CEO da Google, Sundar Pichai, disse que a empresa demitiu 48 pessoas por má conduta sexual nos últimos dois anos.

Funcionários do Google em todo o mundo protestaram em novembro contra os escândalos sexuais que surgiram naquele período e exigiram que essa cultura de trabalho "acabasse".