Internacional Corte da ONU ordena que Mianmar proteja rohingyas muçulmanos

Corte da ONU ordena que Mianmar proteja rohingyas muçulmanos

Minoria muçulmana foi atacada em 2017 e pelo menos 700 mil pessoas fugiram para escapar da violência. Líder do país nega acusação de massacre

  • Internacional | Do R7

Mianmar é acusado de genocídio contra rohingyas

Mianmar é acusado de genocídio contra rohingyas

Mohammad Ponir Hossain/Reuters - 30.10.2018

A Corte das Nações Unidas decidiu nesta quinta-feira (23) que os rohingyas em Mianmar sofrem uma “real e em andamento” ameaça de genocídio e ordenou que medidas sejam tomadas no país para proteger a minoria.

O caso do massacre e ameaça contra a minoria muçulmana no país foi divulgado durante o massacre de 2017, em que pelo menos 700 mil rohingyas fugiram para Bangladesh para escapar da violência. Milhares de pessoas foram assassinadas e estupradas e vilas foram queimadas.

Assim, a corte decidiu que tem jurisdição sobre o caso de genocídio e que a próxima fase do julgamento pode prosseguir.

Durante o mês de julgamento, mapas, imagens de satélite e fotos foram usadas como evidência para mostrar a violência contra os muçulmanos. Os promotores defenderam que os ataques representam uma campanha de genocídio, violando a Convenção de Genocídio assinada em 1948, segundo a agência DW.

Líder do país nega genocídio

A líder de Mianmar, Aung San Suu Kyi, rejeitou as acusações de genocídio. Ela disse que os refugiados rohingyas “exageraram os abusos” e que o país é vítima de “narrativas insubstanciais” de grupos defensores dos direitos humanos e de investigadores das Nações Unidas.

Uma Comissão Independente de Inquéritos disse que, ainda que as forças de segurança de Mianmar sejam culpadas de abusos, não há evidência de um genocídio.

Fotos sobre o drama dos rohingyas em Mianmar vencem Pulitzer

Últimas