Internacional Elizabeth II exalta resiliência e determinação após 11 de setembro

Elizabeth II exalta resiliência e determinação após 11 de setembro

Mensagem foi dirigida ao presidente Joe Biden; o primeiro-ministro, Boris Johnson também se manifestou sobre os atentados

  • Internacional | Da EFE

Rainha Elizabeth II elogiou resiliência e determinação das comunidades após atentados de 11/9

Rainha Elizabeth II elogiou resiliência e determinação das comunidades após atentados de 11/9

Divulgação

A rainha Elizabeth II elogiou neste sábado (11) a "resiliência e a determinação das comunidades que se uniram na reconstrução", após os atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos, em que morreram quase 3 mil pessoas e que completam 20 anos.

Em uma mensagem dirigida ao presidente dos EUA, Joe Biden, a monarca, de 95 anos, afirmou que tem "gravado na memória" a visita que fez, em 2010, à região em Nova York, onde estavam as Torres Gêmeas, destruídas no ataque suicida realizado com aviões pela organização terrorista Al-Qaeda.

"Me lembro que, quando homenageamos aquelas pessoas, de diferentes nações, credos e procedências, que perderam a vida, também fizemos um tributo pela resiliência e determinação das comunidades que se uniram na reconstrução", disse Elizabeth II.

A chefe de Estado do Reino Unido ainda afirmou que "os pensamentos e orações da casa real e de todo o país estão "com as vítimas, sobreviventes e famílias afetadas, assim como dos trabalhadores de emergência e resgate chamados do dever".

O primeiro-ministro, Boris Johnson, e o líder do Partido Trabalhista, de oposição, Keir Starmer, também se manifestaram em mensagens pelo 20º aniversário dos atentados, em ato celebrado em Londres, no Parque Olímpico.

O chefe de governo destacou que, embora as ameaças terroristas "persistam", os terroristas não conseguiram êxito na tentativa de fragilizar a liberdade e a democracia no Ocidente.

"Fracassaram em dividir nossas nações ou em fazer com que abandonássemos nossos valores ou passássemos a viver em um medo permanente", disse Johnson.

Últimas