Internacional Em conversa com os EUA, Turquia diminui o tom sobre veto à Finlândia e Suécia na Otan

Em conversa com os EUA, Turquia diminui o tom sobre veto à Finlândia e Suécia na Otan

Ministro das Relações Exteriores, Mevlüt Çavusoglu reiterou posição turca, mas aceitou conversar sobre entradas na Aliança

Agência EFE

Resumindo a Notícia

  • Ministro das Relações Exteriores, Mevlüt Çavusoglu conversou com o americano Antony Blinken
  • Turcos voltaram a apontar a presença de terroristas nos territórios finlandês e sueco
  • Americanos estão otimistas quanto à entrada dos países na Otan
  • Tanto EUA quanto Turquia desejam o fim da guerra na Ucrânia
Mevlüt Çavusoglu (à esq.) e Antony Blinken em encontro oficial nos Estados Unidos

Mevlüt Çavusoglu (à esq.) e Antony Blinken em encontro oficial nos Estados Unidos

Eduardo Munoz/Pool/Reuters - 18.5.2022

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, reiterou nesta quarta-feira (18) ao alto funcionário americano Antony Blinken as objeções turcas à entrada da Finlândia e da Suécia na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), mas mostrou-se disposto a continuar discutindo o assunto com os demais aliados.

Çavusoglu, que se reuniu com Blinken na sede da ONU, em Nova York, mostrou assim uma posição um pouco mais aberta que a de seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, que hoje insistiu que vetaria a entrada dos dois países na Aliança Atlântica, os quais acusa de apoiar supostos terroristas curdos.

"Entendemos suas preocupações de segurança, mas as preocupações de segurança da Turquia também devem ser abordadas. Essa é uma das questões que devemos continuar discutindo com amigos e aliados, incluindo os EUA", disse o diplomata turco no início da reunião.

Çavusoglu frisou que a Turquia sempre apoiou a "política de portas abertas" da Otan, mas salientou que o caso da Finlândia e da Suécia representa problemas para o seu país.

"Temos preocupações legítimas de segurança porque eles têm apoiado organizações terroristas e também há restrições à exportação de produtos de defesa", explicou.

Embora Blinken não tenha tocado no assunto em suas declarações com o ministro turco, o governo dos EUA se mostrou "seguro" nesta quarta-feira de que os obstáculos serão superados e a Finlândia e a Suécia poderão ingressar na Otan.

"Acho que [as coisas] vão correr bem", limitou-se a dizer o presidente dos EUA, Joe Biden, quando indagado sobre o assunto por jornalistas.

O governo turco acusa a Finlândia e, especialmente, a Suécia de serem um santuário para "terroristas", referindo-se tanto a membros do grupo PKK, atuante na Turquia e tachado de "terrorista" pelos EUA e pela União Europeia, como às milícias das Unidades de Proteção Popular da Síria (YPG), que não recebem essa classificação.

No final do encontro entre Blinken e Çavusoglu, os EUA e a Turquia emitiram uma declaração conjunta na qual não tocaram na questão e apenas assinalaram sua "sólida cooperação como parceiros e aliados da Otan" e reiteraram sua vontade de encontrar uma forma de acabar com a guerra na Ucrânia.

Últimas