Internacional Entenda a importância política e histórica de Mikhail Gorbachev, que morreu aos 91 anos

Entenda a importância política e histórica de Mikhail Gorbachev, que morreu aos 91 anos

Ex-líder da União Soviética teve papel fundamental para o fim da Guerra Fria e para a queda do muro de Berlim, na Alemanha

  • Internacional | Do R7, com AFP e Reuters

Resumindo a Notícia

  • Último dirigente da URSS, Mikhail Gorbachev morreu aos 91 anos
  • Quando comandou o país, contribuiu para o fim da Guerra Fria
  • Em 1990, foi premiado com o Nobel da Paz
  • Apesar de aposentado da política, seguiu tendo influência
Mikhail Gorbachev teve importante papel para o fim da Guerra Fria, na década de 1990

Mikhail Gorbachev teve importante papel para o fim da Guerra Fria, na década de 1990

DAVID GANNON / AFP

Último dirigente da União Soviética, Mikhail Gorbachev morreu nesta terça-feira (30), aos 91 anos, na Rússia. O político, que esteve no poder de 1985 a 1991, foi  importante para o fim da Guerra Fria. 

Durante o período em que comandou a URSS, ele firmou acordos de redução de armas com os Estados Unidos e fez parcerias com potências ocidentais para remover a Cortina de Ferro que dividia a Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Em 1989, protestos pró-democracia varreram as nações do bloco soviético na Europa Oriental comunista. Diferentemente de seus antecessores, Gorbachev se absteve de usar a força, como ocorreu na Hungria em 1956 e na Tchecoslováquia em 1968, quando tanques foram usados para esmagar as revoltas.

Essas mobilizações e a forma como o Kremlin se posicionou alimentaram as aspirações de autonomia nas 15 repúblicas da União Soviética, que se desintegrou nos dois anos seguintes de forma caótica. 

As reformas conhecidas como "perestroika" (reestruturação) e "glasnost" (transparência) valeram a Gorbachev grande reconhecimento mundial. Esse novo cenário na política e na economia soviética encorajou nacionalistas que começaram a pressionar pela independência nas repúblicas bálticas da Letônia, Lituânia e Estônia.

Gorbachev ordenou o encerramento da desastrosa campanha militar soviética no Afeganistão e foi fundamental para a reunificação da Alemanha com a queda do Muro de Berlim, um dos símbolos da divisão do mundo entre regiões de influência americana e soviética.

O seu empenho para acabar com o confronto entre o bloco de países capitalistas e o bloco de nações socialistas lhe rendeu o Prêmio Nobel da Paz em 1990.

O primeiro presidente da Rússia, Boris Yeltsin, e o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev

O primeiro presidente da Rússia, Boris Yeltsin, e o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev

VITALY ARMAND / AFP

Após o fim da URSS, a relação de Gorbachev com os novos líderes do Kremlin sempre foi complexa, seja com o primeiro presidente da Rússia, Boris Yeltsin, seu inimigo declarado, seja com Vladimir Putin, a quem criticava, mas via como uma oportunidade para um desenvolvimento estável na Rússia.

Na década de 1990, ele teve uma breve e frustrada tentativa de voltar à política, porém dedicou-se por completo a projetos educativos e humanitários. Também foi um dos primeiros apoiadores do principal jornal russo de oposição, Novaya Gazeta.

Muito respeitado no exterior, em diversas ocasiões recebeu elogios de grandes personalidades do mundo todo. Frequentemente, pedia por diálogo entre Kremlin e Casa Branca para chegar a um acordo de segurança global e reduzir seus arsenais, como havia feito nos anos 1980 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachev era o último dirigente ainda vivo da época da Guerra Fria, um período que parece ecoar atualmente desde a ofensiva do presidente russo Vladimir Putin na Ucrânia, lançada em 24 de fevereiro. Gorbachev não falou em público sobre o conflito, apesar de ser de uma família que tinha como origem os dois países.

Como a guerra na Ucrânia impacta a sua vida em 7 pontos

Últimas